Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

5 reservas que viraram titulares e essenciais para o Brasil em Copas do Mundo

O Brasil teve mudanças importantes e que ajudaram no título de 1994; outras Copas também tiveram alterações

Bruno Barbato
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Getty Images

Mazinho foi um dos destaques do Brasil na Copa de 1994. O volante era reserva no início da competição. Mas, ainda na fase de grupos se tornou titular, barrando o camisa 10 brasileiro, Raí. Ao lado de Mauro Silva e Dunga formou um trio de volantes que fez uma grande Copa. Mazinho completou 54 anos nesta quarta-feira, 8 de abril.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Pensando nisso, o Torcedores.com listou alguns jogadores que eram reservas do Brasil na preparação para Copas do Mundo, mas se tornaram titulares no início da competição e foram fundamentais na conquista do título mundial para a seleção canarinho.

Veja 5 jogadores que eram reservas, mas foram fundamentais em conquistas do Brasil em Copas:

Mazinho (1994)

Reserva no time de Parreira, Mazinho entrou, deixou Raí no banco e foi fundamental no equilíbrio do time que viria a se tornar tetracampeão mundial.

Branco (1994)

Leonardo estava absoluto até ser expulso contra os Estados Unidos, nas oitavas. Branco entrou contra a Holanda, e foi decisivo com um gol de falta que garantiu a classificação para a semifinal. Branco foi titular na semi e na final.

Aldair (1994)

Tomou o lugar de Ricardo Rocha e formou uma grande dupla com Márcio Santos. O Brasil sofreu apenas 3 gols no Mundial de 1994 e grande parte do mérito foi da dupla.

Kleberson (2002)

O titular no início era Juninho Paulista. Ganhou a vaga jogando muito bem, principalmente nos jogos mata-mata, em especial contra Bélgica e Alemanha.

Amarildo (1962)

Reserva da seleção então campeã mundial, Amarildo se tornou titular após a lesão de Pelé. E deu conta do recado. Ao lado de Garrincha, foi o grande nome do Brasil em 1962, na conquista do bicampeonato. O Possesso anotou 3 gols, sendo 2 contra a Espanha e outro na final contra a Tchecoslováquia.