Andrés Sanchez admite chateação com Tiago Nunes e ironiza: “Ele devia estar no Barcelona”

Andrés Sanchez diz que Tiago Nunes foi infeliz no comentário sobre o CIFUT e garantiu que não tem nada de sucateado

Danielle Barbosa
Colaborador do Torcedores

Crédito: Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

Apesar de negar a busca por Mano Menezes e garantir que pretende manter Tiago Nunes no cargo de técnico do Corinthians, o presidente do clube, Andrés Sanchez, admitiu irritação com o treinador pelas críticas feitas ao Centro de Inteligência do Futebol (CIFUT), que até .

Cartão de crédito sem anuidade? Abra sua conta Meu BMG agora!

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

“Fiquei muito chateado com isso aí. Não tem nada de sucateado. Tudo de mais moderno tem lá. Quando ele (Tiago Nunes) veio, teve carta branca para mexer em tudo. O chefe do CIFUT é um tal de Pedro (Sotero) que foi ele que trouxe. Ele foi infeliz no comentário dele, nas palavras que disse, e eu quero ver qualquer CT do Brasil ter o que o Corinthians tem”, disse Andrés Sanchez em entrevista ao canal do jornalista Jorge Nicola.

O mandatário alvinegro ainda ironizou o treinador. “É que ele devia estar no Barcelona, que não tem nem de perto o que tem no Corinthians. Como trabalhou no Barcelona, achou que aqui estava ruim.”

Em março, durante uma entrevista ao “BandSports’, Tiago Nunes afirmou que o CIFUT, estava sucateado e muito abaixo do que pode produzir. “Essa mudança de filosofia que eu tenho falado tantas vezes também implica na mudança de filosofia do tipo de trabalho que vem sendo desenvolvido nos outros departamentos técnicos. Departamento de fisiologia, de preparação física e o CIFUT, que a gente chegou ali e, infelizmente, estava sucateado em relação a informações e também a muitas questões que a gente vinha precisando”.

LEIA MAIS:
Andrés vê Paulistão ameaçado e garante: “Flamengo e Corinthians sempre foram os maiores times do Brasil”
Andrés Sanchez  admite que pode ter errado em comunicação com Jadson e Ralf, mas minimiza: “Ganhavam para jogar futebol”