Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

De Erazo a Arroyo: relembre os jogadores equatorianos que atuaram pelo Grêmio

Na história do Grêmio, apenas três jogadores nascidos no Equador vestiram a camisa tricolor: Erazo, Bolaños e Arroyo, aniversariante do dia

Gabriel Girardon
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Bolaños, Arroyo e Erazo: os equatorianos que jogaram pelo Grêmio (Montagem sobre fotos de Lucas Uebel/Grêmio FBPA)

Em sua história mais que centenária, o Grêmio se acostumou a ter jogadores estrangeiros vestindo a camisa tricolor. Argentinos, paraguaios e uruguaios podem ser citados como os de passagens mais marcantes. A relação do clube com os equatorianos, porém, ainda é pequena e recente. Somente três atletas nascidos no país passaram por Porto Alegre. Um deles, Michael Arroyo, que completa 33 anos nesta quinta-feira (23).

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Tudo começou no início de 2015. Então no Flamengo, o zagueiro Frickson Erazo foi emprestado ao Grêmio até o fim daquela temporada. Com isso, foi o primeiro equatoriano na história tricolor. Em campo, o defensor foi titular em boa parte dos jogos, formando dupla com Geromel.

No entanto, em um clássico Gre-Nal pelo Brasileirão, Erazo falhou no lance do gol da vitória colorada no Beira-Rio. Assim, ficou marcado pela torcida gremista e não permaneceu ao fim do empréstimo. No total, o jogador disputou 42 partidas, com dois gols marcados.

Contratação mais cara e decepção de graça

Os outros dois equatorianos que passaram pelo Grêmio foram contemporâneos. Porém, chegaram de formas bem distintas. O primeiro, Miller Bolaños, em 2016. O atacante destaque do Emelec desembarcou em Porto Alegre como a contratação mais cara da história do clube – 5 milhões de dólares (R$ 19,4 mi na época).

Mas a passagem de Miller teve altos e baixos. Fez gol na sua estreia e também na final da Copa do Brasil, contra o Atlético-MG. Entretanto, uma cotovelada recebida do lateral William em um Gre-Nal, além de boatos sobre sua vida pessoal foram marcantes. Em 2017, o atacante foi emprestado e em seguida vendido ao Tijuana, do México. Pelo Grêmio, marcou 15 gols em 46 jogos.

Já Miky Arroyo, como é conhecido, foi o mais recente representante do Equador a atuar no Tricolor. Sua chegada foi sem custos, em meados de 2017, após término de seu vínculo com o América do México. O currículo, porém, era interessante, com convocações para a seleção de seu país, inclusive disputando a Copa do Mundo de 2014, no Brasil.

Só que, em campo, pouco se viu. Logo na estreia, contra o Santos, entrou no segundo tempo e foi substituído 15 minutos depois. Uma fratura no nariz deixou o atacante fora de ação por um tempo. Mas, quando retornou, não teve bom desempenho. Até a rescisão de contrato com o Grêmio, em janeiro de 2018, Arroyo disputou sete jogos, sem balançar as redes.

 

LEIA TAMBÉM
Lucas Leiva afirma vontade de voltar ao Grêmio, mas ressalta: “Não consigo dizer quando”