Mauro Beting: Reajuste salarial no Palmeiras é o que dá pra fazer no momento

Colunista do Torcedores analisa momento vivido pelo Palmeiras e os outros clubes nacionais

Mauro Beting
Mauro Beting comenta futebol em rádio, TV, internet, jornal, blog e livro, faz filme de futebol para cinema, DVD e TV, e comenta no PES 2014

Crédito: O presidente Mauricio Galiotte, da SE Palmeiras, concede entrevista coletiva, durante treinamento, na Academia de Futebol.

O Palmeiras reduziu 25% dos salários de abril e maio de seus atletas. Do contrato registrado na carteira. Os direitos de imagem foram chutados para serem pagos até junho de 2021.

Se o Palmeiras que segue com mais dinheiro do que a maioria e com patrocínio que mantém pagamentos (também pela manutenção das pretensões políticas em 2021) tem que fazer o que fez, imagine outros grandes em situação pior.

Para não falar dos clubes com menos recursos, mídia, força política, estrutura, quase tudo.

Não há remédio nem pro Covid-19 e nem para a septicemia generalizada. É o que dá pra fazer. Qualquer solução é paliativa. Qualquer remédio ameniza mas não cura. E alguns até podem matar em vez de manter.

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Antecipar a volta a campo é genocídio. Ou tentativa de. Planejar é outra história. Todos os cuidados ainda são rasos como os terraplanistas e os negacionistas.

Eu não tenho a menor ideia de como será a volta a campo e ao jogo.

Mas só sei que não tem muito o que reclamar e condenar os ajustes.

É o que temos. Com o que ficamos.

Mais do que a sobrevivência, é questão de vida ou morte.

Algo que a gente pode chamar de Palmeiras.

LEIA MAIS:
Mauro Beting escala o melhor Palmeiras dos anos 2010 com Cuca no comando