Dorival Júnior confessa que também errou em briga com Neymar em 2010

O episódio gerou um impasse com a diretoria e culminou na demissão do treinador

Luca Cecchini
Colaborador do Torcedores

Crédito: Reprodução/ Twitter GloboEsportecom

Em entrevista ao UOL Esporte, o técnico Dorival Júnior relembrou a briga que teve com Neymar dentro de campo, em 2010. À época treinador do Santos, Dorival determinou que Marcel batesse um pênalti a favor da equipe. Neymar já preparando-se cobrança, não gostou da decisão e reclamou efusivamente com o treinador.

Siga o Torcedores no Facebook para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes

Após Marcel converter a cobrança, Neymar passou a abusar das firulas, e foi novamente repreendido pelo treinador. O bate-boca continuou após a partida, no vestiário, o que para Dorival Júnior, foi o seu erro.

“No momento em que finaliza uma partida, você fala com o atleta ainda com o sangue quente. Eu abordei o Neymar dessa forma. Então, isso, pra mim, foi um erro. O erro acontecido em campo foi dele, Neymar, e ele sabe disso. O erro dentro do vestiário foi meu – no caso, não poderia ter abordado. Deveria ter deixa passar”, reflete Dorival.

De acordo com o treinador, a questão entre os dois já estava resolvida no dia seguinte. “Ele foi me pedir desculpas. Eu falei: ’Neymar, não tem problema. Não deveria, mas acontece”.

Contudo, para que a indisciplina do jogador não passasse impune, Dorival Júnior pretendia puni-lo com dois jogos de suspensão. “ A diretoria não me deixou puni-lo, porque achava que uma punição administrativa, multando, seria o suficiente, No futebol, não é assim. Eu tentei mostrar ao presidente. Porém, houve ali um mal entendido porque depois desse episódio tudo estava certo com o Neymar”.

Nesta discordância na forma de penalização, Dorival Júnior tinha apoio das lideranças da equipe. Edu Dracena, Arouca, Marquinhos e Roberto Brum chegaram a se reunir com o presidente do Santos pedindo que Neymar fosse punido para além da multa. Em favor da suspensão, Dorival argumenta que aquilo poderia abrir um precedente para que jogadores mais jovens tivessem a mesma atitude.

“Você está à frente de um grupo. Amanhã, um outro menino qualquer poderia fazer a mesma coisa que o Neymar. De repente, eu iria puni-lo? E por que não havia punido, então, o Neymar? Jogador observa muito esse tipo de situação. Ele pode ficar quieto, mas lá na frente, daqui a dez dias, um mês, um ano, ele pode te jogar na cara”, argumentou Dorival.

O impasse culminou na demissão do treinador. Contudo, Dorival garante que não há nenhuma mágoa com o craque do PSG.

Atualmente, Dorival Júnior é o técnico que comanda a reformulação do elenco do Athletico Parananense desde o início desta temporada.

Leia Mais

Quando volta o futebol da América Latina? Veja estratégias e situação de cada país para retomada