Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Michael Schumacher passará por nova cirurgia com células-tronco, informa jornal italiano

Único heptacampeão mundial de Fórmula 1, Michael Schumacher seguirá tratamento com células-tronco após acidente de esqui, informa o Contro Copertina

Willian Ferreira
Colaborador do Torcedores.com e contador de histórias do esporte.

Crédito: Twitter/Reprodução

A saúde de Michael Schumacher é o ponto nevrálgico de muito mistério. Desde quando sofreu um seríssimo acidente em uma pista de ski, em 2013, na cidade francesa de Maribel, poucas informações chegam à imprensa. Uma delas vazou nesta quarta-feira (10). De acordo com o jornal italiano Contro Copertina, o único heptacampeão mundial de Fórmula 1 fará uma cirurgia com células-tronco.

Siga o Torcedores no Facebook para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes
https://www.facebook.com/TorcedoresOficial

O médico responsável pelo procedimento será Philippe Menasche. Ao jornal, ele declarou que o objetivo da cirurgia é “regenerar o sistema nervoso central de Michael Schumacher”. Sempre é necessário destacar que o ex-piloto, por conta da cirurgia, não pode realizar atividades físicas. E, por conta disso, o quadro clínico do alemão inclui, também, atrofia muscular e osteoporose. O implante de células-tronco, portanto, é importante para a saúde muscular de Schumi, como é carinhosamente chamado.

O acidente e histórico

No dia 29 de dezembro de 2013, Michael Schumacher bateu a cabeça contra uma pedra enquanto esquiava. Ao chegar no hospital, entrou em coma, com traumatismo craniano, e passou por uma cirurgia imediatamente. Desde então, pouco se sabe sobre a saúde do alemão. Em 2019, foi noticiado que ele iniciou um tratamento com células-tronco.

A primeira corrida de Michael Schumacher na Fórmula 1 aconteceu em 1991, substituindo Bertrand Gachot Gachot, que fora preso, na Benneton. No GP seguinte, já foi para a Benneton, onde ficou até 1995 – e foi bicampeão em 1994 e 1995. Chegou à Ferrari em 1996 e, de 2000 e 2004, ganhou cinco títulos mundiais. Saiu da categoria em 2006 e voltou em 2010, na Mercedes. Ficou nas Flechas de Prata até 2012.

LEIA MAIS
Nomes ligados ao automobilismo e fãs de corridas lamentam morte de Niki Lauda no Twitter
25 anos depois, relembre números e recordes de Ayrton Senna na Fórmula 1
Ricciardo dá ré, bate em outro piloto e abandona GP do Azerbaijão; imagem viraliza no Twitter