Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

F1: John Elkann, presidente do Grupo Fiat, diz que Ferrari deve voltar a vencer apenas em 2022

Após anos triunfando entre as melhores equipes do campeonato, a equipe começou a temporada de 2020 com apenas um pódio conquistado

Pedro Giordan
Jornalista graduado pela Universidade Metodista de São Paulo em 2017 - Colaborador do Torcedores.com desde fev/2020

Crédito: Divulgação/Ferrari

A atual edição da Fórmula 1 não está sendo muito boa para os fãs da Ferrari. Nas primeiras três corridas da temporada, os italianos conqusitaram apenas 27 pontos e estão na 5ª posição do Mundial de Construtores. Apesar do clima de decepção que se instaurou em Maranello, John Elkann, presidente do Grupo Fiat (no qual a Ferrari faz parte), mostra que está confiante com relação ao futuro do time.

Siga o Torcedores no Facebook para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes

“A realidade é que nosso carro não é competitivo. Você viu na pista, e vai ver novamente.Temos um número de fraquezas estruturas existentes na aerodinâmica e na dinâmica dos carros. Também perdemos potência no motor. Mas hoje, estamos lançando os alicerces para sermos competitivos e voltarmos a vencer quando o regulamento mudar em 2022”, disse Elkann em entrevista à ‘Gazzetta dello Sport’

Não é raro ver torcedores da equipe criticando desempenho atual dos carros vermelhos. Principalmente pelo fato dos pilotos estarem brigando no “meio da tabela”. Até o momento, o melhor resultado deles foi o terceiro lugar de Charles Leclerc na Áustria.

O próximo desafio será na Inglaterra, onde serão realizadas duas corridas no Circuito de Silverstone. A primeira acontece neste final de semana. Já a segunda será realizada entre os dias seis e nove de agosto.

Vale lembrar que a mesma já anunciou a contratação de Carlos Sainz para o próximo ano. O jovem espanhol chega para substituir Sebastian Vettel.

Plano 2022

Na última semana, a marca anunciou que o experiente Rory Byrne voltará para fazer parte do novo departamento de Desenvolvimento de Perfomance. Byrne foi um dos responsáveis pelo bólido que conquistou cinco títulos no início da década de 2000.

Ele chefiará o setor junto com o engenheiro Enrico Cardile.

“Os fãs estão sofrendo tanto quanto nós, mas eles continuam nos dando muita energia, e isso é importante. Uma longa jornada nos aguarda. Quando Todt e Schumi abriram o histórico ciclo no fim dos anos 90, vinhamos de um jejum de 20 anos que durou desde 1979. Os fãs sabem que daremos tudo em cada grande prêmio de qualquer forma, e você verá que Vettel também vai fazer sua parte, mas eu não quero enganá-los. Estamos trabalhando para consolidar a cultura vencedora da Ferrari e nossos pilotos”, completou.

Alguns nomes do staff atual continuarão firmes e fortes em seus cargos. Entre eles está Mattia Binotto, chefe de equipe. Na mesma entrevista, John Elkann disse que Binotto  “tem todas as competências e características para dar início a um novo ciclo de vitórias”.

LEIA MAIS:

F1 inclui novas etapas no calendário; Portugal volta após 24 anos

 

Doria lamenta cancelamento do GP do Brasil, mas vê “decisão sensata” da F1