Destaque do Corinthians na Copinha, Carlinhos fala em injustiça e ressalta: “Mancharam a minha imagem”

Atacante foi goleador na campanha que deu o título da Copinha ao Corinthians. Atualmente ele tem 23 anos e nega fama de ‘saideiro’

Rafael Brayan
Estudante de jornalismo. Colaborador especialista e editor-plantonista do Torcedores.

Crédito: Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Quando se fala sobre as categorias de base do Corinthians, os torcedores já se perguntam: por onde andar o atacante Carlinhos? Goleador da Copa São Paulo de 2017, conquistada pelo Timão, o jogador nunca teve espaço na equipe principal após ser comparado com Jô e chamar muita atenção dos torcedores.

Nesta quinta-feira (12), em entrevista ao Globoesporte.com, Carlinhos se manifestou e detonou as críticas que recebeu no clube. Em muitos momentos, foi noticiado entre os torcedores que a falta de oportunidades para o atacante foi motivado por problemas extra-campo, o que foi negado pelo jogador.

“Sempre trabalhei e fiz as coisas certas. O que mais me doeu foi que a mídia plantou um monte de notícia falsa sobre mim, que eu era cachaceiro, que eu não gostava de treinar, que era preguiçoso. Nunca fui isso. Como eu não ia querer treinar no Corinthians? Não tem lógica. Sempre quis estar onde eu estava. Me deram poucas chances, mas vou tentar em outros lugares. Estou feliz no Atibaia”, afirmou Cartlinhos.

Quem chega e quem sai dos clubes?

 

“É duro você sair na rua e uma pessoa que nem te conhece falar: “Aí, Carlinhos, você é craque de bola, não joga porque não tem cabeça”. Isso machuca. Aconteceu inúmeras vezes, ainda mais no Instagram: “Você é craque, foca, para de beber e de usar droga”. Sou um ser humano. Deus tem coisa nova para mim. Pode ser no Corinthians, caso renovem comigo, ou para onde eu for. Serei bem-sucedido ainda. Um dia vou dar entrevista e vou estar na seleção brasileira”, acrescentou.

Atuando na Copa Paulista pelo Atibaia, Carlinhos está em fim de contrato com o Corinthians. Porém, agradeceu a oportunidade de vestir a camisa do clube. “Foi bom, mas poderia ter sido melhor. Tenho potencial e capacidade para jogar. Foi uma experiência incrível, aprendi muito, olhava como aqueles jogadores estavam jogando, observei muito. Eu queria ter jogado e mostrado o meu futebol, claro, mas talvez não fosse o meu momento”, disse.

VEJA TAMBÉM:

Está em dúvida sobre qual curso de faculdade escolher?

Ex-Corinthians, Tiago Nunes negou time da Série A e agora quer sair do Brasil

Brasileirão tem 6 times com o mesmo técnico desde o início; três começaram o ano