Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Clima esquenta após Atlético x Fortaleza; dirigentes batem boca no Mineirão

Desentendimento ocorreu no túnel que dá acesso ao gramado do Mineirão; Atlético e Fortaleza se posicionam sobre o caso

Eder Bahúte
Jornalista e assessor de imprensa.

Crédito: Reproducao/GE

O diretor de futebol do Atlético, Rodrigo Caetano, discutiu com dirigentes e integrantes da comissão técnica do Fortaleza, logo após a partida realizada neste domingo, em Belo Horizonte, quando o Galo venceu por 2 a 0. No túnel, que dá acesso ao gramado, o clima esquentou entre as partes.

Aniversário CLUBE EXTRA

Clique e veja as melhores promoções!

Segundo informações do GE, que identificou a confusão, não foi possível compreender o que teria motivado a discussão. Nas imagens, Rodrigo Caetano está acompanhado de seguranças do Atlético em atrito com o staff do time cearense. No fim, Caetano fez um aceno com a mão direita e adentrou ao vestiário do Galo.

Procurada, a assessoria do Atlético minimizou o ocorrido e alegou ter sido apenas uma discussão pós-jogo, mas sem nenhuma interferência na boa relação entre os clubes. Em nota, o Fortaleza diz que Caetano provocou membros da diretoria tricolor.

As melhores notícias de esportes, direto para você

 

“O Fortaleza Esporte Clube esclarece que durante o decorrer da partida, o Sr. Rodrigo Caetano, diretor de futebol do Atlético-MG, fez provocações e proferiu xingamentos direcionados à diretoria e staff tricolor. Ao descer para o vestiário, as provocações continuaram. Por tudo isso, a diretoria interveio para controlar a situação e finalizar a discussão”.

Filme repetido

Na Arena Castelão, no duelo válido ainda pelo primeiro turno, o Atlético foi à CBF e reclamou da postura de pessoas ligadas ao Fortaleza, que estavam nas arquibancadas torcendo e pressionando o trio de arbitragem. Na ocasião, foi feito uma representação formal.

Ainda no Inter, Rodrigo Caetano viveu situação semelhante a esta. Novamente no Castelão, o clube gaúcho reclamou da pressão de “mais de 80 pessoas” nas arquibancadas.