Goleada sobre o Resende indica caminhos interessantes para o Flamengo nesse início de temporada; entenda

Na coluna PAPO TÁTICO, Luiz Ferreira analisa a atuação do escrete comandado por Maurício Souza na partida desta sexta-feira (19)

Luiz Ferreira
Produtor executivo da equipe de esportes da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, jornalista e radialista formado pela ECO/UFRJ, operador de áudio, sonoplasta e grande amante de esportes, Rock and Roll e um belo papo de boteco.

Crédito: Alexandre Vidal / Flamengo

Por mais que o nível técnico do Campeonato Carioca esteja bem abaixo das principais competições que o Flamengo vai disputar em 2021, ele ainda é muito útil para se fazer testes e encontrar soluções rápidas para possíveis problemas dentro do elenco. A goleada sobre o Resende (em jogo válido pela quarta rodada da Taça Guanabara) foi construída através de um “time misto” por assim dizer, mas que manteve várias características do escrete principal. Isso porque Maurício Souza fez questão de manter a postura ofensiva e vertical, de valorização da posse da bola e de muito volume de jogo. Vale destacar aqui a estreia de Bruno Viana, zagueiro com boa visão de jogo e qualidade na saída de bola, os retornos de Pedro, Vitinho, Léo Pereira, Renê e Hugo Souza (todos do time “de cima”), além das boas atuações de João Gomes, Matheuzinho e Rodrigo Minuz, artilheiro do Cariocão 2021 com quatro gols.

Conheça a 1xBet:

Um novo jeito de fazer sua aposta esportiva!

É preciso dizer que o Flamengo dominou completamente a partida. Tirando um susto ou outro (como a falha de posicionamento no único gol do Resende, marcado pelo volante Paulo Victor), o time comandado por Maurício Souza procurou manter a posse da bola e adotou uma postura agressiva nas transições e com muita mobilidade no ataque posicional proposto pelo treinador. Pedro dava profundidade, Vitinho aparecia pelo lado direito (e abria o corredor para as boas subidas de Matheuzinho), Pepê e Richard Ríos (substituto de Hugo Moura) jogavam mais por dentro e Michael abria o campo pela esquerda. Tudo para ter superioridade numérica diante da linha de cinco montada por Sandro Sargentim no Gigante do Vale. O primeiro tempo, no entanto, acabou marcado mais pelas chances incríveis desperdiçadas por Pedro na frente do bom goleiro Gustavo Fraga e pela afobação de Michael em alguns lances.

Maurício Souza apostou num ataque posicional para encarar a linha de cinco defensores do Resende na partida desta sexta-feira (19). O Flamengo teve muito volume de jogo e muita mobilidade no setor ofensivo, mas desperdiçou grandes chances de abrir o placar no Maracanã. Foto: Reprodução / YouTube / Cariocão 2021

Na volta do intervalo, Maurício Souza surpreendeu com a entrada de Rodrigo Muniz no lugar de Richard Ríos que organizou o Flamengo num 4-4-2/4-2-4 bastante utilizado por Rogério Ceni nas suas primeiras partidas no comando da equipe ainda no ano passado. Só que a grande diferença é que os jogadores se adaptaram muito bem a essa nova formação no segundo tempo. E não demorou muito para que o Flamengo abrisse o placar logo aos três minutos, com Vitinho acertando um belo chute de fora da área (recurso que poderia ser muito mais utilizado no time). Com a equipe mais organizada, melhor distribuída em campo e pressionando bastante a saída de bola do Resende, não demorou muito para que o escrete rubro-negro balançasse as redes. Aos onze minutos, Pedro marcou o segundo e Rodrigo Muniz acertou um belíssimo chute de primeira após cruzamento preciso de Matheuzinho aos 28 minutos da segunda etapa.

O Flamengo voltou do intervalo organizado num 4-4-2/4-2-4 de muita mobilidade no setor ofensivo e alta intensidade nas transições. Com Rodrigo Muniz ao lado de Pedro, Michael abrindo o campo e Vitinho vindo mais por dentro, o escrete rubro-negro levou vantagem em quase todos os lances. Foto: Reprodução / YouTube / Cariocão 2021

Matheuzinho fazia boa partida, João Gomes mostrava a categoria de sempre na frente da zaga, Pepê distribuía bem o jogo no meio-campo e Rodrigo Muniz se transformou em tormento constante para a defesa do Resende. A atuação coletiva do Flamengo (levando-se sempre em consideração a fragilidade do seu adversário) deixou alguns caminhos interessantes para a equipe nesse início de temporada. Os jovens da base estão ganhando experiência e preparados para jogos mais importantes. E o desenho tático utilizado por Maurício Souza foi bem assimilado por todos. Tanto que o Flamengo ocupava o campo ofensivo com pelo menos sete jogadores a todo momento. Até mesmo no quarto gol da equipe (marcado por Rodrigo Muniz depois de mais uma boa recuperada na pressão no campo do Resende). A equipe também teve melhores tomadas de decisão e um pouco mais de capricho nas finalizações. Ótimas notícias para a sequência do trabalho.

O quarto e último gol do Flamengo nasceu da pressão na saída de bola do Resende e da boa distribuição dos jogadores no campo ofensivo. A equipe de Maurício Costa teve superioridade numérica na intermediária em quase todos os lances de perigo da segunda etapa. Foto: Reprodução / YouTube / Cariocão 2021

É verdade que o adversário da noite desta sexta-feira (19) não criou muitos problemas para o Flamengo e que ainda é preciso ver como a equipe se comporta e em competições de maior nível técnico. Vale lembrar que a derrota no clássico contra o Fluminense deixou a impressão de que alguns jogadores ainda não estavam maduros o suficiente para encarar desafios ainda mais difíceis. Por outro lado, levando-se em consideração que o time titular rubro-negro é formado por vários atletas mais experientes (quase todos eles com mais de trina anos), Rogério Ceni pode aproveitar vários nomes que vêm sendo utilizados por Maurício Souza com um pouco mais de frequência do que na temporada passada. E sobre Bruno Viana, o novo reforço do Flamengo mostrou muita visão de jogo e muita compreensão dos espaços na defesa para diminuir o campo e criar armadilhas de impedimento numa linha mais alta de marcação.

A atuação coletiva do Flamengo contra o Resende trouxe uma série de boas notícias para Rogério Ceni e vários caminhos a serem seguidos nesse início de temporada. Ainda mais com a sempre enorme expectativa da torcida rubro-negra por mais títulos e mais vitórias. A experiência de veteranos como Diego Ribas, Diego Alves, Filipe Luís e Everton Ribeiro pode se encaixar muito bem com a juventude de Matheuzinho, João Gomes e Rodrigo Muniz.

CONFIRA OUTRAS ANÁLISES DA COLUNA PAPO TÁTICO:

Real Madrid recupera espírito vencedor e se garante nas quartas de final da Liga dos Campeões; entenda

Atuação fraca do Vasco contra a Caldense deixa muito mais dúvidas do que certezas com relação ao futuro