Ala brasileiro se despede do basquete australiano e se prepara para exames médicos na NBA

Ala Didi se prepara para fazer exames médicos no New Orleans Pelicans

Carlos Lemes Jr
Colaborador do Torcedores.com.Jornalista formado, desde 2012, e no Torcedores, desde 2015. Matérias exclusivas pelo site publicadas nos portais IG, MSN e UOL.

Crédito: Uma vez Kings, sempre Kings. Obrigado, Didi (Divulgação)

O basquete brasileiro pode ter, muito em breve, um terceiro representante na NBA. Ala Didi vai fazer exames médicos no New Orleans Pelicans e se aprovado, provavelmente, assinará contrato com a franquia.

Ele vai se juntar ao pivô Bruno Caboclo do Chicago Bulls e ao armador Raulzinho do Washington Wizards na liga norte-americana. Em New Orleans, Didi pode reencontrar nomes draftados com ele em 2019. São eles:  Zion Williamson (número 1), Jaxson Hayes (8ª escolha) e Nickeil Alexander-Walker (17ª escolha).

Os Pelicans ocupam a 11ª posição na Conferência Oeste (25 V-32 D), na briga por uma vaga nos Playoffs. Em 2019, o capixaba teve boas atuações disputando a Summer League em Las Vegas, chegando à semifinal da competição com médias de 11,0 pontos, 3,0 rebotes, 2,0 assistências e 1,5 roubos de bola, em 27 minutos.

Didi estava, desde 2019, no Sydney Kings da Austrália. E, durante todo esse período, o brasileiro foi monitorado pelos Pelicans.

“Fui muito bem recebido em Sydney, pela equipe e fãs, todos me trataram com carinho e respeito. Sou grato por tudo que aprendi, grato ao sr. Smith pela oportunidade de fazer parte da organização, por tudo que vivi em Sydney, e vou levar muitas boas lembranças comigo”, disse Didi, se referindo a Paul Smith, proprietário da equipe.

“Aproveitei cada momento e deixo muitos amigos. Esses dois anos foram importantes na minha evolução e no meu amadurecimento como homem e jogador. Hoje sou um jogador mais pronto, mais preparado para a NBA”, completou o ala em seu Instagram. Ele teve médias de 8,7 pontos, 3,2 rebotes e 1,8 assistências por jogo na Austrália.

LEIA MAIS

Isaiah Thomas fala sobre idolatria por Kobe Bryant: “O maior de todos os tempos, na vida e no basquete”