3 motivos que explicam a eliminação do Bayern na Champions

Equipe alemã foi eliminada pelo PSG na fase de quartas de final da Champions League

Flavio Souza
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Divulgação / Twitter oficial Bayern

O sonho de um bicampeonato do Bayern de Munique chegou ao fim nesta terça-feira (13). O clube não conseguiu reverter a derrota no jogo de ida para o PSG e foi eliminado na fase de quartas de final. Com a vitória por 1 x 0, o Bayern empatou o placar agregado (3 x 3), mas por conta do gol qualificado, se despediu da Champions League. Pensando na próxima edição, os Bávaros terão pontos para serem trabalhados, afinal a eliminação não foi por mero acaso.

Além da própria qualidade do PSG, que merece ser valorizada, a equipe alemã apresentou alguns erros nesta edição, que podem ajudar a entender o porquê o clube não conseguiu avançar para a fase de semifinais da competição.

Desfalques de peso no Bayern

Em duas partidas, os Bávaros finalizaram 44 vezes, mas marcaram apenas três gols. A situação poderia ter sido bem diferente se Lewandowski estivesse em campo. Devido a uma lesão, o principal nome do Bayern não esteve em campo nas duas partidas das quartas de final. Serge Gnabry, com Covid-19, também foi outra ausência importante nos duelos contra o PSG.

Quem chega e quem sai dos clubes?

 

Já no meio de campo a equipe sentiu a ausência de Goretzka no jogo de volta. Isso ficou evidente com a quantidade de passes errados da equipe, algo fora do usual quando se trata dos Bávaros. Por fim, a ausência de Süle na zaga comprometeu o setor defensivo, principalmente no jogo de ida.

Falta de opções no elenco do Bayern

Além dos quatro jogadores citados, o Bayern não pode contar com mais cinco atletas. Com problemas de lesão, Hoffmann, Marc Roca, Tillman, Douglas Costa e Tolisso não puderam participar das duas partidas das quartas de final. Em ambos os jogos, a equipe teve apenas sete jogadores no banco de reservas, limitando as opções para alterar o cenário da partida.

Dessa forma, Hansi Flick se viu obrigado a improvisar, seja usando Lucas Hernández como zagueiro, seja lançando Javi Martínez como centroavante no segundo jogo, no lugar de Choupo-Moting. Vale ressaltar que mesmo questionado, o atacante camaronês foi o autor de dois dos três gols dos alemães nos confrontos contra o PSG, seu ex-clube.

Soberba de alguns jogadores

Na edição 2019-20, o Bayern foi campeão com sobras frente os rivais. Foram várias goleadas, inclusive contra o Barcelona de Messi. Nesta temporada, com força máxima, vimos uma situação parecida. Os exemplos ficam para as goleadas frente o Atlético de Madrid, RB Leipzig e Lazio.

Mas esse desempenho acabou fazendo com que alguns atletas “esquecessem” da qualidade do PSG. O volante Kimmich chegou a afirmar que tinha certeza da classificação, mesmo com vários desfalques.

“Estou convencido de que vamos passar, porque somos a melhor equipe. Fomos melhores no jogo de ida, embora o resultado infelizmente não o reflita”.

Essa declaração, inclusive, fez com que após o apito final, Neymar celebrasse a classificação próximo ao volante rival.

LEIA MAIS:

Apesar da eliminação, Bayern chega a 18 jogos invictos como visitante na Champions League