Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Internacional e Santos fazem jogo cheio de alternativas táticas na abertura do Brasileirão Feminino

Na coluna PAPO TÁTICO, Luiz Ferreira analisa o empate entre as Gurias Coloradas e as Sereias da Vila neste sábado (17)

Luiz Ferreira
Produtor executivo da equipe de esportes da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, jornalista e radialista formado pela ECO/UFRJ, operador de áudio, sonoplasta e grande amante de esportes, Rock and Roll e um belo papo de boteco.

Crédito: Mariana Capra / SC Internacional

A edição de 2021 Brasileirão Feminino Série A1 mal começou e já deixa ótimas impressões com relação ao que está por vir. Ainda que todos sintam um pouco esse início de competição por conta do longo período de inatividade (ou por terem encarado uma Libertadores Feminina logo no início de 2021), o nível técnico apresentado nos jogos deste sábado é extremamente animador. E o que eu e você vimos no empate em 1 a 1 entre as equipes do Internacional e do Santos, em Porto Alegre, se encaixa perfeitamente nessa situação. As equipes de Maurício Salgado e Christiane Lessa mostraram as suas credenciais numa partida recheada de alternativas táticas, lances de perigo e muita movimentação no SESC Campestre. O Brasileirão Feminino está apenas começando e as Gurias Coloradas e as Sereias da Vila deixaram bem claro que vão entrar com muita força na briga pelo título mais importante do nosso futebol feminino.

Aniversário CLUBE EXTRA

Clique e veja as melhores promoções!

É preciso dizer que o Internacional começou a partida a todo vapor. Não somente pelo gol de pênalti marcado por Fabi Simões aos dois minutos de partida (após toque de mão de Fê Palermo em bola levantada na área do Santos. O 4-2-3-1 de Maurício Salgado funcionou muito bem e potencializava bastante o jogo vertical do seu quarteto ofensivo diante de um adversário que demorou muito para se encontrar em campo. Com Fabi Simões e Shashá trocando de posições a todo momento, Mariana Pires distribuindo bem o jogo no meio e com Rafa Travalão dando bastante profundidade às jogadas de ataque, as Gurias Coloradas foram empilhando chances de aumentar a vantagem no placar com muita movimentação no terço final. Principalmente pelo lado esquerdo de ataque, onde a lateral Belinha aparecia a todo momento como opção de passe. Mais atrás, as volantes Juliana e Djeni cuidavam da proteção da zaga.

As melhores notícias de esportes, direto para você

 

Mariana Pires distribuía muito bem o jogo no meio-campo e acionava Fabi Simões, Shashá e Rafa Travalão nos contra-ataques rápidos e verticais das Gurias Coloradas. O Internacional defendia bem e atacava com muito volume de jogo. Foto: Reprodução / YouTube / MyCujoo

Só que o Santos foi equilibrando a partida aos poucos. E por mais incrível que pareça, a saída de Byanca Brasil do time pro conta de uma lesão acabou tendo um efeito “positivo” nas Sereias da Vila. Não levem esse colunista a mal, mas estava evidente que o ponto mais fraco do escrete de Christiane Lessa estava no lado direito, onde Bruninha estava completamente sobrecarregada no 4-3-3 proposto pela treinadora. Maria Dias deu um pouco mais de consistência e qualidade nas transições e o Santos foi ganhando campo aos poucos apesar de ainda sofrer com as bolas longas lançadas às costas das laterais Bruninha e Bia Menezes. Acabou que o empate das Sereias da Vila saiu depois de um chute meio “despretensioso” de Júlia que enganou a goleira Vivi após o quique da bola. O Santos igualava o marcador quando a Internacional mais atacava. E nesse ponto, a goleira Michelle salvou a pátria santista.

Christiane Lessa apostou num 4-3-3 que só deu liga quando Maria Dias entrou no lugar de Byanca Brasil ainda no primeiro tempo. Cristiane se movimentava bastante no ataque e abria espaços para as subidas das volantes Rita Bove e Júlia. Foto: Reprodução / YouTube / MyCujoo

As Sereias da Vila entraram de vez no jogo quando Amanda Gutierres substituiu Bruninha no início do segundo tempo. Com sangue novo em campo, a impressão que ficou para este que escreve é a de que as Gurias Coloradas sentiram o ritmo intenso dos primeiros 45 minutos e tiraram o pé do acelerador na etapa final. Com isso, Christiane Lessa conseguiu fazer com que o Santos adiantasse um pouco as suas linhas e começasse a pressionar a saída de bola do Internacional. Ketlen, Cristiane e Maria Dias ganharam a companhia de Amanda Gutierres e Bia Menezes no apoio e criaram boas chances. Tanto que a goleira Vivi se redimiu do erro no gol do Santos e salvou a pátria colorada com grande defesa em chute de Brena. Com as duas equipes sentindo a falta de ritmo e o início de temporada, o placar não foi alterado até o apito final. Mesmo assim, eu e você vimos um grande jogo de futebol no SESC Campestre.

Com o Internacional diminuindo o ritmo intenso do primeiro tempo, o Santos conseguiu ocupar mais o campo de ataque e criou boas chances com Ketlen, Mari Dias e Cristiane. As Sereias da Vila ganharam mais consistência com as mudanças de Christiane Lessa. Foto: Reprodução / YouTube / MyCujoo

É lógico que o desempenho das Sereias da Vila e das Gurias Coloradas devem melhorar no decorrer desse Brasileirão Feminino. Impossível não notar que as equipes de Christiane Lessa e Maurício Salgado sentiram um pouco o início de temporada e o período de inatividade ainda que cada uma delas esteja inserida num contexto bem específico. Este colunista gostou do estilo mais vertical e intenso do Internacional com Fabi Simões, Mariana Pires, Shashá e Rafa Travalão se movimentando constantemente no último terço. As transições defensivas ainda precisam dos ajustes que virão com o tempo e os treinamentos. Ao mesmo tempo, as Sereias da Vila mostraram um bom repertório de jogadas no segundo tempo e mostraram que podem crescer muito na competição se Christiane Lessa escalar as jogadoras que estiverem em melhores condições físicas. Mari Dias e Amanda Gutierres entraram muito bem na partida.

Muita água ainda vai correr nesse rio chamado Brasileirão Feminino. A temporada ainda está no início e várias jogadoras ainda precisam de um melhor condicionamento físico para encarar a alta intensidade exigida dessas primeiras rodadas da competição. E isso sem falar no contexto imposto pela pandemia de COVID-19 e o grande número de atletas afastadas. Mesmo assim, esse empate entre Internacional e Santos foi extremamente animador.

CONFIRA OUTRAS ANÁLISES DA COLUNA PAPO TÁTICO:

Qualidade do Fluminense prevalece sobre um Botafogo completamente perdido, sem rumo e sem força ofensiva

Erros individuais, falta de confiança e outra derrota nos pênaltis: os pecados do Palmeiras na Recopa Sul-Americana

SIGA LUIZ FERREIRA NO TWITTER