Paulo Nobre revela convites para concorrer ao governo de SP e brinca sobre assumir a presidência da República: “Seria um downgrade”

Paulo Nobre afirmou que não se sente preparado para assumir um desafio na política

Danielle Barbosa
Colaboradora do Torcedores.com.

Crédito: Divulgação/ Cesar Greco/ Ag. Palmeiras

Paulo Nobre é apontado por parte da torcida do Palmeiras como um dos melhores presidentes da história do clube. Em dois mandatos, sendo quatro anos de gestão, tirou o clube da Série B do Campeonato Brasileiro e reestruturou a equipe que até hoje colhe os frutos do trabalho que teve início em 2013. Diante do sucesso no futebol, será que nunca passou pela cabeça dele disputar um cargo na política do país?

Em entrevista ao canal ‘Os Bocca Palmeiras’, no YouTube, Paulo Nobre admitiu ter ficado lisonjeado quando torcedores começaram a especular sua entrada na política, mas destacou que não se sente preparado para isso.

Paulo Nobre destaca relacionamento com a Crefisa e diz ser a favor do Palmeiras virar ‘clube-empresa’: “Esse é o futuro”

“Na época que o [Mauricio] Macri assumiu a presidência na Argentina, eu estava na presidência do Palmeiras. Naquela época,  ele tinha sido presidente do Boca Juniors, foi prefeito de Bueno Aires e venceu a eleição para presidente na Argentina. O início dele foi muito bom, mas depois ele acabou se perdendo. Nessa época muita gente falou ‘Pô, o Paulo Nobre poderia concorrência à presidência da República’. Eu vou ser bem sincero. Eu conseguir ter realizado o sonho de uma vida, que foi chegar à presidência do Palmeiras de uma maneira bem positiva, tendo entregado o clube muito melhor do que eu peguei, foi a realização de um sonho. Quando você vê que a coisa deu certo e começa a sentir o reconhecimento do público, faz muito bem para o ego. E aí começarem a lançar você como presidente da República, eu vou dizer que eu achei engraçado. Não me acho preparado para um desafio desse, e mas por mais engraçado que eu tenha achado, faz muito bem para o ego”, contou Nobre.

“Para realmente me filiar a um partido e me candidatar… eu não posso falar que dessa água eu não beberei, mas não é uma coisa que faz parte dos meus planos de vida. Depois da presidência do Palmeiras, eu estou tocando alguns projetos na minha vida que, seu eu entrasse na política, não daria para continuar. Estou tentando curtir um pouco a vida, estou com 53 anos. Minha mulher aguentou os quatro anos da presidência sem sair para jantar uma vez”, acrescentou.

O ex-presidente palmeirense revelou ainda que chegou a ser convidado por alguns partidas para concorrer a cargos importantes na eleição de 2018. “Quatro partidos e convidaram para ser candidato a governador ou senador. Um dos partidos foi o Partido Novo. Na época eu achei até engraçado receber um convite daquele. Conversei com a minha mulher e não fazia parte dos nossos planos.”

Nobre também destacou que, se tivesse aceitado e vencido a eleição, estaria vivendo um monto conturbado por causa da pandemia do coronavírus. “Meu Deus do céu, o que iria ser minha vida agora. Não tão importante [quanto presidir o Palmeiras], mas mais difícil. Quando me perguntam se eu gostaria de ser presidente da República ou governador de São Paulo, eu falo ‘olha, eu já tive o maior e mais importante cargo que alguém poderia ter no mundo. Se eu fosse presidente da República, seria um downgrade’”, completou.

LEIA MAIS:
Paulo Nobre sai em defesa do técnico do Palmeiras após pichações: “Fica, Abel”

Siga o Torcedores no Facebook para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes