FIVB suspende jogadora por atitude racista na Liga das Nações

Sanja Djurdevic, líbero da Sérvia, fez gesto ofensivo durante uma partida

Ruan Nascimento
Colaborador do Torcedores

Crédito: (reprodução/FIVB) Sanja Djurdevic fez gesto racista contra jogadoras da Tailândia

A Federação Internacional de Vôlei (FIVB) suspendeu nesta terça-feira, 8 de junho, a líbero da seleção da Sérvia, Sanja Djurdevic, por atitudes racistas durante o jogo da seleção sérvia contra a Tailândia, pela Liga das Nações Feminina. Sanja ficará impedida de atuar na competição por dois jogos.

Na semana passada, em um momento da partida, ela zombou de um erro da tailandesa Pleumjit Thinkaow, puxando os olhos com os dedos. O gesto é considerado racista pelos asiáticos. Ao avaliar as imagens, o Subcomitê Disciplinar da FIVB anunciou a punição. 

Uma das partidas em que Sanja teve de cumprir suspensão foi nesta terça, na derrota da equipe sérvia para a Bélgica, por 3 sets a 2. A outra partida de gancho será contra o Canadá, no próximo sábado, 12 de junho. Além disso, a federação de vôlei da Sérvia também foi punida, com multa de 20 mil francos suíços, cerca de R$ 111 mil.

No anúncio, a FIVB reforça que “está empenhada em promover a compreensão, solidariedade e unidade contra todas as formas de comportamento discriminatório”, e que continuará trabalhando para que estes valores sejam compartilhados com as federações nacionais de vôlei.

Pedido de desculpas

Sanja Djurdevic pediu desculpas à Pleumjit Thinkaow assim que terminou a partida entre Sérvia e Tailândia, vencida pelas sérvias por 3 sets a 0. A atleta tailandesa aceitou o pedido. “Djurdevic veio até o nosso vestiário. Ela disse que estava muito estressada e que não tinha a intenção de nos ofender. Por favor, perdoem ela.”

A federação da Sérvia também fez seu pedido de desculpas, mas tentou amenizar a situação, pedindo para que o assunto não seja divulgado de forma exagerada. Além disso, a entidade deu a entender que o ato de Sanja seria uma forma de incentivo às suas companheiras. “Por favor, não exagerem! Sanja está ciente de seu erro e imediatamente pediu desculpas a toda a equipe da Tailândia. Ela só queria mostrar às suas companheiras: ‘vamos começar a jogar a defesa como elas agora’. Ela não quis desrespeitar. Claro, foi lamentável”, diz a entidade.

Leia mais

COI amplia time de refugiados nos Jogos Olímpicos

Apenas metade dos japoneses acredita na realização das Olimpíadas