Home Esportes Olímpicos Olimpíadas: Por pandemia, Brasil terá delegação menor em cerimônia de abertura

Olimpíadas: Por pandemia, Brasil terá delegação menor em cerimônia de abertura

Contra risco de contaminações, COB reduz para apenas quatro integrantes delegação que se apresentará nesta sexta-feira (23)

Victor Martins
De Santo André-SP, formado em Jornalismo pela Unversidade Metodista de São Paulo (classe de 2010-13), trabalhando no Torcedores desde janeiro de 2016 (ou algo neste sentido). Iniciado na profissão desde meados de 2006, ao fazer a cobertura da Copa do Mundo da Alemanha para o site Abolanet. cobrindo jogos e os destaques de algumas seleções durante o evento, e posteriormente trabalhando neste até cerca de 2007. Entre os anos de 2008 e 2015, trabalhei para uma agência de notícias que produziu conteúdo para diversas páginas. Destas, principalmente a da Federação Paulista de Futebol, fazendo serviços de placar ao vivo das mais diversas competições (nacionais e internacionais) e serviços de pós-jogo focados nos clubes de São Paulo Desde 2016 venho trabalhando no Torcedores, onde venho desempenhando uma série de funções dentro do site, como setorista de clubes do futebol brasileiro e de outros esportes (MMA), além de trabalhar em várias partes do organograma da página. Atualmente, exerço trabalho na cobertura de futebol nacional e internacional, com a criação de matérias sobre clubes e jogadores, além de produção de guias de TV (onde assistir aos jogos) das partidas dos mais variados torneios no Brasil e no mundo

Reprodução/ Twitter Time Brasil

PUBLICIDADE

Nesta sexta-feira, acontecerá a cerimônia de abertura das Olimpíadas de Tóquio, esta que pode sofrer diversas mudanças relacionadas à pandemia da Covid-19. Tanto que a delegação do Brasil que irá ao evento não terá como em outros jogos o desfile de vários de seus grandes destaques presentes,

O COB (Comitê Olímpico Brasileiro) publicou nesta quinta-feira (22) uma nota na qual anuncia que irá comparecer à cerimônia com apenas quatro integrantes. Dois deles atletas, Bruninho (vòlei) e Ketlen Quadros (judò). A presença de ambos na abertura já era certa pois destes serão os porta-bandeiras da delegação brasileira na cerimônia que marca a abertura definitiva dos Jogos Olímpicos.

Além de Bruninho e Ketlen, também estarão na delegação o chefe de missão Marco la Porta e um oficial administrativo, que não foi revelado. O número de integrantes da delegação que fará parte da cerimônia foi definido por este ser o mínimo exigido pelas regras da organização para tomar parte do evento.

PUBLICIDADE

Segundo o COB, a decisão por uma delegação reduzida do Brasil na cerimônia de a se deu ‘levando-se em consideração a segurança dos atletas brasileiros em cenário de pandemia’. Com isso, os riscos de que a equipe brasileira pudesse, com mais membros, ter maiores chances de contaminação, fizeram com que a organização da ‘Missão Tóquio’ optasse por esta alteração.

Confira a nota do COB sobre a mudança na delegação brasileira na cerimônia de abertura das Olimpíadas (extraída do site oficial do Comitê Olímpico)

O Time Brasil participará da Cerimônia de Abertura dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020 nesta sexta-feira, dia 23, representado pelo número mínimo exigido de atletas e oficiais. Os porta-bandeiras Bruno Rezende (voleibol) e Ketleyn Quadros (judô) serão acompanhados pelo Chefe de Missão Marco La Porta e por mais um oficial administrativo. A decisão foi tomada levando-se em consideração a segurança dos atletas brasileiros em cenário de pandemia, minimizando riscos de contaminação e contato próximo, zelando assim pela saúde de todos os integrantes do Time Brasil.

A missão brasileira respeita a importância e simbolismo da Cerimônia de Abertura dos Jogos Olímpicos. Bruno e Ketleyn serão legítimos representantes de toda a delegação e irão honrar os mais elevados Valores Olímpicos ao entrarem com a Bandeira do Brasil no Estádio Olímpico de Tóquio.

PUBLICIDADE

LEIA MAIS

Olimpíada de Tóquio: Quem são as seleções favoritas no vôlei feminino?


Olimpíadas: Diretor da Cerimônia de Abertura de Tóquio pede demissão