Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Vaga na decisão da Eurocopa é a afirmação definitiva de uma Itália que deseja voar bem mais alto

Na coluna PAPO TÁTICO, Luiz Ferreira analisa a partida e explica como a Espanha complicou (e muito) a vida dos comandados de Roberto Mancini

Luiz Ferreira
Produtor executivo da equipe de esportes da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, jornalista e radialista formado pela ECO/UFRJ, operador de áudio, sonoplasta e grande amante de esportes, Rock and Roll e um belo papo de boteco.

Crédito: Reprodução / Twitter / UEFA EURO 2020

É preciso dizer que o confronto entre Itália e Espanha realizado nesta terça-feira (6) foi um dos maiores e mais disputados duelos táticos e estratégicos dos últimos tempos. Praticamente uma partida de xadrez jogada com bola, traves, redes e pelo menos 34 peças. Ou jogadores. Após o empate em 1 a 1 no tempo normal e na prorrogação, a Squadra Azzurra de Roberto Mancini conquistou a vaga na decisão da Eurocopa após superar a valente equipe de Luís Enrique nas penalidades com o ítalo-brasileiro Jorginho convertendo a última cobrança. Difícil não enxergar no confronto contra “La Furia” o maior teste da envolvente e muito bem organizada Itália desde que a sequência de impressionantes 33 partidas sem derrotas. É a afirmação definitiva de uma seleção que se propôs a jogar um futebol vistoso, ofensivo, envolvente e muito, mas muito intenso. Palmas para a Squadra Azzurra. E para a Espanha também.

Não se conhece uma grande seleção apenas pelos seus resultados, mas pela maneira como ela consegue se adaptar a cada situação. E a partida contra a Espanha colocou muitas dúvidas na Itália e em Roberto Mancini. Isso porque Luís Enrique optou pela escalação de Olmo como referência móvel do seu 4-3-3 básico. Tudo para ter mais mobilidade às costas de Jorginho, Verratti e Barella. Além disso, Busquets e Pedri conseguiam fugir da pressão com muita facilidade e sempre apareciam livres no meio-campo para acionar os atacantes espanhóis. Diante desse cenário, a Squadra Azzurra baixou um pouco as suas linhas para aproveitar o espaço que se criou atrás da última linha de “La Furia”. Transição em alta velocidade com bolas mais longas para Chiesa e Barella à direita e Insigne e Emerson Palmieri (outro brasileiro naturalizado italiano) à esquerda. Ao invés de agressividade, uma certa dose de pragmatismo.

Espanha vs Italia - Football tactics and formations

Luís Enrique apostou em Olmo no comando de ataque para confundir a última linha da Itália e criar volume de jogo no terço final. A equipe de Roberto Mancini baixou a marcação, deu espaço para a Espanha criar e acelerou muito cada transição com bolas longas para seu trio ofensivo.

Apesar das escapadas da Itália, a Espanha se mantinha firme na sua proposta de jogo. Não foi por acaso que terminou os 120 minutos de bola rolando em Wembley com incríveis 70% de posse e 16 finalizações contra sete da Squadra Azzurra (de acordo com os números do SofaScore). O belo gol de Chiesa (marcado em jogada que começou com a reposição de Donnarumma ainda na área italiana) aos 14 minutos do segundo tempo deixou a impressão de que “La Furia” se desmancharia emocionalmente em campo. No entanto, Luís Enrique conseguiu melhorar bastante o desempenho da sua equipe com as entradas de Rodri, Moreno e Morata. O 4-3-3 inicial foi mantido, mas ganhou muito mais consistência e solidez nas transições para o ataque. Do outro lado, Roberto Mancini também trocava peças e reforçava seu sistema defensivo com a entradas de Pessina e Rafael Tolói nos lugares de Verratti e Emerson Palmieri.

A Espanha manteve seu estilo e conseguiu chegar ao gol de empate em belíssima jogada de Morata e Olmo e que teve a conclusão precisa do camisa 7 na saída de Donnarumma. Vale lembrar aos que defendem APENAS o futebol de contra-ataques contra o estilo de valorização da posse de bola que a equipe de Luís Enrique conseguiu o empate se mantendo fiel ao seu estilo e acelerando ataque por dentro com belíssimos passes verticais. Apesar dos problemas para manter o controle da partida percebidos em todas as suas partidas nessa Eurocopa (e mencionada mais de uma vez por este colunista), a Espanha equilibrava o jogo e criava muitas dificuldades para uma Itália que se viu obrigada a abrir mão de sua estratégia para se adaptar ao contexto da partida. A marcação permaneceu em bloco mais baixo e Roberto Mancini mandou Belotti e Locatelli para o jogo para tentar manter a bola por mais tempo no ataque.

Italia vs Espanha - Football tactics and formations

Com a vantagem no placar, Roberto Mancini reforçou o sistema defensivo da Itália com Pessina e Rafael Tolói, mas a Espanha conseguiu o empate mantendo seu estilo e buscando as jogadas verticais com Morata, Olmo e Moreno. Duelo tático do mais alto nível técnico e tático em Wembley.

A prorrogação não teve tantas emoções como no tempo normal muito por desgaste físico e mental de espanhóis e italianos. Tanto que Roberto Mancini e Luís Enrique mantiveram suas estratégias e as formações táticas básicas nas suas equipes. As entradas de Pau Torres, Thiago Alcântara e Bernardeschi no primeiro tempo extra da semifinal ocorreram muito mais pela vontade dos dois treinadores de ter jogadores descansados para as penalidades. E acabou que a Squadra Azzurra riu por último na decisão na marca fatal. Primeiro veio o sofrimento (como aconteceu com a Itália mais de uma vez nessa Eurocopa) com Locatelli parando em Unai Simón. E depois veio a recuperação com Dani Olmo (que cobrou sua penalidade por cima) e Morata (que parou em Donnarumma). E caberia ao ítalo-brasileiro Jorginho (um dos melhores em campo na opinião deste que escreve) garantir a Itália na decisão depois de deslocar o goleiro espanhol.

Aliás, se Pedri e Busquets desafogavam o jogo para a Espanha com ótima colocação e muita inteligência para vencer a marcação, o camisa 8 da Squadra Azzurra se transformou no símbolo de uma equipe que desceu ao inferno depois da ausência na Copa do Mundo da Rússia e ressurgiu como uma das mais fortes do planeta. E a classificação para a final da Eurocopa é a afirmação desse belíssimo trabalho de Roberto Mancini e de jogadores que incorporaram esse estilo ofensivo e intenso, como Chiesa, Barella, Spinazzola, Di Lorenzo, Barella, Insigne, Immobile e o já citado Jorginho. Mesmo sem ir tão bem nesta terça-feira (6) e ter encontrado muitas dificuldades de uma Espanha valente e muito bem organizada por Luís Enrique. O tal jogo de xadrez citado no início dessa humilde análise tática foi resolvido na base do coração. E a Itália conseguiu ter mais controle dos nervos do que seu adversário.

Não deixa de ser também a prova de que a equipe comandada por Roberto Mancini se superou e mostrou ter concentração suficiente para superar adversidades. Foi assim contra a Áustria, contra Bélgica e agora contra a Espanha. A Squadra Azzurra não deve parar na Eurocopa. Se mantiver o alto nível do futebol apresentado na competição continental, não será nenhuma surpresa vermos uma das mais tradicionais seleções do planeta brigando por mais uma Copa do Mundo. Anotem aí.

CONFIRA OUTRAS ANÁLISES DA COLUNA PAPO TÁTICO:

Brasiliense e Gama “puxam o freio de mão” em clássico sonolento e sem muitas emoções na Boca do Jacaré

“Football’s coming home!” Inglaterra atropela a Ucrânia com ótimo jogo coletivo e muita eficiência

Entrosamento entre Lucas Paquetá e Neymar chancela classificação da Seleção Brasileira para a final da Copa América