Rashford lamenta pênalti perdido e desabafa sobre ataques racistas: “Nunca pedirei desculpas por ser quem eu sou”

Inglaterra bateu na trave e perdeu a Eurocopa nos pênaltis para a Itália; três jogadores foram alvos de racismo nas redes sociais

Paulo Foles
Jornalista, amante da escrita e apaixonado por esportes. Twitter: @PaulFoles

Crédito: Foto: Divulgação/Twitter Marcus Rashford

Marcus Rashford usou as redes sociais para se pronunciar sobre os ataques racistas que recebeu após a derrota da Inglaterra para a Itália na final da Eurocopa. Ele lamentou o pênalti perdido, pediu desculpas e abriu o jogo para revelar como está se sentindo.

Conheça a 1xBet:

Um novo jeito de fazer sua aposta esportiva!

“Eu senti como se tivesse desapontado todo mundo. Um pênalti foi tudo que foi pedido para mim. Eu consigo marcar pênaltis dormindo, então porque não aquele? Tenho passado na minha cabeça repetidas vezes desde que bati na bola e não há palavras para descrever como me sinto. Final. 55 anos. Um pênalti. História. Tudo que eu quero pedir é desculpas”, lamentou o jogador do Manchester United, que sempre costuma bater pênaltis e tem facilidade nesse quesito. A Inglaterra permanece na fila após perder a Eurocopa.

Rashford, Sancho e Saka foram vítimas de criminosos racistas nas redes sociais. Depois da derrota da Inglaterra nos pênaltis para a Itália na Eurocopa, eles tiveram suas redes invadidas com ataques desumanos. A federação inglesa, a UEFA e companheiros do futebol se pronunciaram a favor dos três jovens jogadores.

Uma das estrelas do Manchester United, Rashford ressaltou o orgulho de sua origem:  “Eu aceito críticas sobre meu desempenho, minha cobrança não foi boa e deveria ter entrado. Mas nunca pedirei desculpas por ser quem eu sou e de onde vim. Nunca senti tanto orgulho em vestir os Três Leões no meu peito e ver minha família torcendo por mim no meio de milhares de pessoas”.

LEIA MAIS:

Sancho, Rashford e Saka são vítimas de racismo nas redes sociais após final da Eurocopa
Cornetou! Bonner ironiza escolhas de técnico da Inglaterra no ‘Jornal Nacional’