Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Tóquio 2020: Alerta de tufão anima surfistas, mas altera provas nas Olimpíadas

Um tufão pode atingir locais de provas de Tóquio 2020, mas isso não é um problema para os surfistas

Mário André Monteiro
Jornalista com passagens por Portal iG, Fox Sports e Osasco Audax. Atualmente editor do Alemanha FC (http://www.alemanhafc.com.br). No Twitter: @alemao_mario e no Instagram: @marioalemao

Crédito: WSL / Divulgação

Os organizadores dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 estão preocupados com a possibilidade de um tufão atingir o Japão nos próximos dias, conforme alerta dos meteorologistas.

Para os surfistas que participam das Olimpíadas, no entanto, esse alerta é animador. O fenômeno pode aumentar consideravelmente as ondas da praia de Tsurigasaki, local das provas de surfe.

As ondas em Tsurigasaki geralmente são pequenas e fracas, o que tornaria difícil os atletas mostrarem suas habilidades no esporte que estreia em Jogos.

Antes de embarcar para o Japão, ainda no aeroporto de Guarulhos, o brasileiro Gabriel Medina chegou a comentar essa possível condição climática.

“Gosto de ondas grandes. Fiquei sabendo dos tufões, e isso para mim é um bom sinal, porque dá ondas maiores e mais fortes. Essas são as condições em que eu gosto de competir”, disse o bicampeão mundial.

Além de Medina, o Brasil será representado por Ítalo Ferreira no masculino, e por Silvana Lima e Tatiana Weston-Webb na competição feminina. As chances de medalhas são enormes.

No começo deste mês, Ítalo Ferreira disse ao “O Globo” que também preferia ondas maiores na disputa das Olimpíadas.

“Se não tem onda, não tem o que fazer, não tem outra escolha. Se não tiver onda, não tem como surfar, se apresentar, competir. É algo que não esperamos, seria o pior cenário para todo mundo”, comentou

Mais manifestações

O presidente da Associação Internacional de Surfe, Fernando Aguerre, também avaliou o clima favorável para a prática da modalidade.

“Teremos boas ondas, haverá um forte tufão aqui na costa do Japão e sabemos que as ondas estão ficando maiores”, disse.

Outros surfistas também se manifestaram sobre os ciclones tropicais que podem atingir o país das Olimpíadas nos próximos dias.

“É pequeno, mas há ondas a caminho! Vamos lá”, escreveu o surfista australiano Owen Wright em seu Instagram.

“As ondas estão um pouco pequenas até agora, mas há um swell muito bom no caminho, parecendo com alguns ventos fortes talvez para segunda-feira (26), então isso deve nos dar uma boa plataforma para mostrar para o mundo do que se trata”, disse o técnico da Nova Zelândia, Matt Scorringe.

Eventos alterados

Se no surfe a chegada do tufão é vista com bons olhos, em outras modalidades nem tanto.

A competição de remo sofreu algumas mudanças no calendário com essa perspectiva climática. Todas as eliminatórias que aconteceriam no domingo foram antecipadas para sábado.

E as regatas finais que estavam marcadas para segunda-feira agora acontecerão no domingo.

“Essa realocação é essencial. Nosso maior medo era que houvessem condições de vento injustas, e isso é importante para todos”, disse o técnico Heino Zeidler, da equipe alemã de remo.

E MAIS

Tóquio 2020: Empilhadeira destrói equipamento de equipe favorita ao ouro olímpico

Tóquio 2020: Seis brasileiros estão no top 10 dos jogadores mais valiosos das Olimpíadas

Mercado da bola: Tevez pode repensar sua aposentadoria após interesse de três clubes