Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Olimpíadas: Brasil controla o Japão e está na semifinal do vôlei masculino

Japão teve bons momentos na partida, mas o poderio ofensivo e a experiência brasileira fizeram a diferença para colocar a seleção em sua quinta semifinal consecutiva de Jogos Olímpicos

Thiago Chaguri
Colaborador do Torcedores

Crédito: Divulgação/FIVB

Crescendo nos momentos decisivos dos sets, Brasil elimina o Japão pelas quartas de final do vôlei masculino. Com parciais de 25/20, 25/22 e 25/20, o time do técnico Renan Dal Zotto venceu com relativa tranquilidade e fez a festa na casa dos anfitriões. Classificada para a semifinal, a seleção enfrentará o Comitê Olímpico Russo, que venceu o Canadá por 3 sets a 0. Pela fase de grupos, os atletas russos impuseram a única derrota brasileira na competição, por 3 sets a 0.

Siga o Torcedores no Facebook e Twitter para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes

Leal puxou a pontuação brasileira, anotando 16. Wallace somou 15. Yuki Ishikawa, com 17, foi o maior pontuador da partida.

Este foi o sexto confronto entre as seleções em olimpíadas. Os japoneses venceram por quatro vezes. No entanto, o Brasil leva vantagem em jogos decisivos. Somando o triunfo de hoje, eliminou os asiáticos por duas vezes na fase de quartas de final da competição. Além desta edição de Tóquio, a primeira oportunidade foi em Barcelona-1992, onde a equipe verde e amarela faturou a medalha de ouro pela primeira vez.

ESCALAÇÕES

BRASIL: Bruninho (levantador); Wallace (oposto); Lucarelli e Leal (ponteiros); Lucão e Maurício Souza (centrais); Thales (líbero).

Suplentes: Cachopa (levantador); Alan Souza (oposto); Maurício Borges e Douglas Souza (ponteiros); Maurício Souza, Isac (central)

Técnico: Renan Dal Zotto

 

JAPÃO: Masahiro Sekita (levantador); Yuji Nishida (oposto); Yuki Ishikawa – capitão – e Ran Takahashi (ponteiros); Akihiro Yamauchi e Taishi Onodera (centrais); Tomohiro Yamamoto (líbero).

Suplentes: Naonobu Fujii (levantador); Kunihiro Shimizu (oposto); Kenta Takanashi e Tatsunori Otsuka (ponteiros); Ri Haku (central).

Técnico: Yuichi Nakagashi

 

1º SET

O jogo começou de forma inusitada. No vôlei, a equipe que estiver com algum jogador fora do posicionamento da rotação é considerado infração. Ligado, Lucarelli percebeu esse erro na rotação de quadra dos japoneses e sacou rapidamente para ganhar o ponto. Logo de início, a seleção brasileira abriu 5 a 2. Leal sacou com muita força, porém, a defesa japonesa foi buscar a bola de maneira incrível. No contra-ataque, Wallace mandou para fora. Ishikawa, no bloqueio, diminuiu a diferença para um ponto, em 6 a 5. A vantagem oscilava entre um e três pontos. Wallace e Leal, com três cada até o momento, somavam metade dos pontos do Brasil, cujo marcador apontava 12 a 9.

Sekita, levantador de 1,75m, fechou a porta para Leal num bloqueio simples, 14 a 11. Os japoneses defendiam bem, mas cometiam erros. A oscilação na diferença de pontos permanecia. As equipes trocavam bolas, favorecendo os brasileiros que obtinham vantagem. Nishida e Ishikawa comandavam o ataque japonês e mantinham a equipe à caça do empate no placar.

Entrando na inversão do 5×1, Alan Souza bloqueou o ataque adversário, proporcionando o set point para o Brasil. O técnico Yuichi Nakagashi parou o jogo, mas não adiantou. Num ótimo trabalho na contenção, com belas defesas, a seleção brasileira conseguiu colocar a bola em jogo na quadra adversária, que desperdiçou o ataque e pôs fim ao set em 25/20 para o Brasil.

O ataque teve forte produção na parcial, somando 17 pontos. Seis deles foram de Wallace e cinco de Leal. Nishida e Ishikawa guardaram cinco e quatro pontos respectivamente para o Japão.

2º SET

Com boa defesa e explorando o bloqueio, os asiáticos abriram 4 a 2 de início. A equipe permaneceu com essa estratégia. Sekita distribuiu bem para os atacantes de lado, porém pouco utilizou os centrais até este momento do jogo. Após um ace japonês, Renan pediu tempo para o Brasil, com desvantagem em 9 a 5. Entretanto, a equipe continuou forçando o saque e errando, além de permitir muitos contra-ataques para o adversário, que aproveitou e fez quatro pontos dessa forma até o 12 a 8. A tônica da parcial continuou até Lucarelli acertar uma paralela para diminuir para um ponto a distância, em 15 a 14.

Corrigindo a defesa, minimizando os erros de serviço e imprimindo seu forte ritmo no ataque, o Brasil não só empatou, como virou o set. Wallace no bloqueio, um ataque para fora da equipe japonesa e outro toco, desta vez de Leal, colocaram a diferença em 20 a 17 para o time sul-americano. Explorando o bloqueio, Lucarelli virou mais uma bola e, após dois desperdícios de set point, Wallace atacou com força e cravou em 25 a 22. A jogada foi revisada com o pedido de desafio japonês, mas o ponto teve a confirmação e deu a vitória brasileira no set.

Lucarreli fez cinco na parcial, acompanhado de Wallace e Leal, cada um com quatro pontos. Ishikawa foi a peça mais importante do ataque japonês, com expressivos nove pontos.

3º SET

Yamauchi pegou Lucão num bloqueio individual e o Japão saiu na frente por 2 a 1. Rapidamente recuperada, a equipe superou um longo rali e Leal abriu 6 a 4 no placar. Nakagashi paralisou o duelo e o tempo técnico funcionou momentaneamente, tirando Leal de uma boa sequência de saque. Wallace, sozinho, subiu o paredão e deu tranquilidade para a equipe, com 13 a 7. Novamente pedido de tempo do Japão. Na volta, a equipe demonstrava apatia por não conseguir repetir a boa atuação das primeiras parciais, enquanto o Brasil mantinha a distância.

O time brasileiro se desconcentrou por um breve período e viu os japoneses ensaiarem uma reação, diminuindo o placar para 22 a 19. Mas Leal, num potente ataque, e Maurício Souza, de bloqueio, colocaram o Brasil a um ponto de fechar o jogo. O próprio Leal desperdiçou o serviço, dando ponto para os adversários. Porém, na jogada seguinte, Maurício Souza deu números finais ao set em 25/20 e a partida em 3 sets a 0, carimbando o passaporte brasileiro à sua quinta semifinal de olimpíadas consecutiva.

Leal foi o destaque da parcial despejando sete pontos.

CAMPANHA

O time de Renan Dal Zotto soma cinco vitórias em seis jogos até o momento.

Fase de grupos

23/07 – 23h00

Brasil 3 x 0 Tunísia (25/22, 25/20 e 25/15)

26/07 – 9h45

Brasil 3 x 2 Argentina (19/25, 21/25, 25/16, 25/21 e 16/14)

28/07 – 9h45

Brasil 0 x 3 Rússia (ROC) (22/25, 20/25 e 20/25)

29/07 – 23h05

Brasil 3 x 1 Estados Unidos (30/32, 25/23, 25,21 e 25/20)

31/07 – 23h05

Brasil 3 x 2 França (25/22, 37/39, 25/17, 21/25 e 20/18)

Quartas de final

03/08 – 01h00

Brasil x Japão (25/20, 25/22 e 25/20)

 

LEIA MAIS:

Olimpíadas de Tóquio 2020: Confira o quadro de medalhas completo

Olimpíadas: Confira os jogos das quartas de final do vôlei feminino