Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Abel Ferreira x Renato Gaúcho: duelo expõe duas ideias diferentes de jogo

Treinadores são os mais vitoriosos do futebol brasileiro nos últimos anos

Guilherme Lopes
Estudante de Jornalismo, apaixonado pelas estatísticas do bom jogo. Vivo e penso sobre futebol o dia todo.

Crédito: Lucas Figueiredo/CBF

A final da Copa Libertadores 2021 está definida. Por mais um ano teremos dois brasileiros jogando a decisão, Palmeiras x Flamengo. Evidenciando como ambos conseguem se sobressair no país nos últimos anos.

Além do duelo entre as equipes mais organizadas financeiramente, essa partida coloca frente a frente mais uma vez duas ideias bem diferentes de como jogar futebol.

Abel Ferreira

Palmeiras do treinador português defende o status de campeão da América, além da gloria de mais um título nesta edição. Contra o Atlético Mineiro, esfericamente, ficou evidente como a equipe paulista se comporta quando enfrenta uma equipe mais técnica. No primeiro jogo da semifinal, Abel foi duramente criticado por entrar de uma forma defensiva, contudo, a estratégia acabou dando certo, não levando gols e saindo com um 0x0 na ida.

Enquanto na partida da volta, o treinador não mudou muito seu estilo, entrando novamente de forma mais defensiva. Desta vez, o Palmeiras soube utilizar os espaços que o galo deixava ao atacar jogando em casa. Assim, conseguiu fazer seu gol e com oportunidades de marcar até mais.

Se engana quem acha que o time paulista joga apenas de forma defensiva, atualmente o alviverde figura na segunda colocação entre os melhores ataques da competição, com 27 gols, atrás apenas do rival, Flamengo.

Renato Gaúcho

Para o torcedor mais apaixonado, a forma que o time de Renato Gaúcho joga pode cativar mais que o treinador português, afinal, o Flamengo vem provando ser uma verdadeira máquina ofensiva. Além dos 4×0 no agregado contra o Barcelona-EQU, a equipe carioca já superou em gols a campanha vitoriosa na Libertadores de 2019, quando marcou 24 gols, oito a menos que na atual.

Contando com uma equipe estrelada, o rubro-negro deve seguir apostando suas fichas no quarteto ofensivo, primordialmente em Bruno Henrique e Gabigol. O primeiro, marcou simplesmente todos os gols dos confrontos da semifinal contra o Barcelona-EQU, já o centroavante lidera a artilharia da Libertadores com 12 gols.

Por outro lado, apesar de reforçar seu sistema defensivo, ficou evidente que o ataque incansável do Flamengo, acaba dando muita liberdade para um contra-ataque do adversário. Na semifinal, Diego Alves deu conta do recado, sendo exigidos diversas vezes.

Frente a frente

Jogando de forma mais equilibrada, o Palmeiras de Abel Ferreira sabe se defender e atacar na hora certa, citando o também português José Mourinho como referência. Ao mesmo tempo, Renato parte de outra premissa. Sem uma referência, o treinador usa apenas sua filosofia, conseguindo ter o vestiário totalmente nas suas mãos. Dentro de campo, fica óbvio a liberdade que o treinador dá para os atletas, utilizando bastante a dupla de volantes com Willian Arão e Andreas Pereira, tanto na construção de jogadas como para pressionar sem a bola, dificultando a criação de jogadas dos adversários.

Mesmo com filosofias diferentes, ambos mostram que são eficazes, não só por estarem na final do torneio sul-americano. Vale lembrar que os dois conquistaram basicamente os mesmos títulos recentemente, Copa do Brasil e Libertadores.

Abel x Renato histórico de confronto

Jogos: 4

Vitórias: 2×1

Empates: 1

Gols: 5×4

Mata-mata: 1×0

LEIA TAMBÉM

Flamengo aparece com três jogadores entre os artilheiros da temporada na Série A; veja a lista

“Palmeiras chega na final de maneira legitima, mas o melhor era o Atlético-MG”, diz Sormani sobre a semifinal da Libertadores