Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Uefa e Conmebol se posicionam contra Copa do Mundo a cada dois anos e falam até em boicote

Fifa planeja fazer Copa do Mundo a cada dois anos, mas Europa e América do Sul são contra essa ideia

Mário André Monteiro
Jornalista com passagens por Portal iG, Fox Sports e Osasco Audax. Atualmente editor do Alemanha FC (http://www.alemanhafc.com.br). No Twitter: @alemao_mario e no Instagram: @marioalemao

Crédito: Divulgação / Fifa

A Fifa estuda a possibilidade de realizar a Copa do Mundo a cada dois anos a partir do Mundial de 2026, e não mais de quatro em quatro anos como é atualmente – e como sempre foi ao longo da história.

Mas a entidade máxima do futebol mundial vai precisar convencer Uefa e Conmebol, já que as organizações de Europa e América do Sul se posicionaram publicamente contra a ideia de Copa do Mundo em um intervalo mais curto .

Em entrevista ao jornal “The Times”, Aleksander Ceferin, presidente da Uefa, falou até em boicote caso essa proposta da Fifa seja levada adiante.

“Nós podemos decidir não jogar nesse modelo. Até onde sei, os sul-americanos estão na mesma página que nós. Então boa sorte com uma Copa do Mundo assim”, disse Ceferin.

“Eu acredito que isso nunca vai acontecer porque vai contra os princípios básicos do futebol. Jogar a cada verão um grande torneio com um mês de duração, para os jogadores será a morte. Se for a cada dois anos, vai bater com a Copa do Mundo feminina e o torneio olímpico de futebol”, continuou o presidente da Uefa.

Ainda nas palavras de Aleksander Ceferin, o valor da Copa é justamente porque acontece a cada quatro anos. “É preciso esperar por ela, como os Jogos Olímpicos. É um evento grandioso. Não vejo nossas federações apoiando isso”.

E a Conmebol?

Nesta sexta-feira (10), a Conmebol também deu seu parecer contrário. A entidade do futebol sul-americano postou uma nota oficial com os seguintes trechos:

“Uma Copa do Mundo a cada dois anos pode distorcer a competição de futebol mais importante do planeta, rebaixando sua qualidade e prejudicando seu caráter exclusivo e seus atuais padrões exigentes. A Copa do Mundo é um evento que atrai a atenção e a expectativa de bilhões de pessoas porque representa o ápice de um processo de eliminação que dura quatro anos e tem dinâmica e apelo próprios”.

“Uma Copa do Mundo a cada dois anos representaria uma sobrecarga praticamente impossível de administrar no calendário de competições internacionais. Nas condições atuais, já é complexo harmonizar horários, logística, preparação adequada e compromissos. A situação seria extremamente difícil com a mudança proposta. Pode até colocar em risco a qualidade de outros torneios, tanto de clubes como nacionais”.

“Para a aprovação de uma mudança desta natureza, é imprescindível um processo amplo e participativo de consultas a todos os envolvidos. Deve ser fruto de um debate franco, no qual todas as opiniões e critérios sejam considerados. A CONMEBOL está e sempre estará aberta ao diálogo que busca o melhor para o futebol”.

“Embora em algum momento a CONMEBOL tenha apoiado o projeto em questão, análises técnicas mostraram que ele é altamente inviável. Por isso, nas atuais condições, ratifica o seu apoio ao modelo atual do Mundial, com os seus termos e mecanismos de classificação, considerando-o coerente com o espírito daqueles que idealizaram e fundaram esta competição”.

LEIA TAMBÉM

Quem sai em alta da seleção brasileira após 3 rodadas das Eliminatórias?

Jornalista detona Neymar após declarações polêmicas: ‘É mau caráter, um mimado’

Brasileirão: Só um jogador foi expulso mais de uma vez no 1º turno

Messi bate recorde de Pelé e se emociona por título pela seleção: “Sonhei e lutei por isso”