Torcedores – Notícias Esportivas

Souza explica fracasso do Grêmio de 2013 e detona Renato por implicância com Zé Roberto: “Queria afetar”

Ex-volante Souza, hoje no Besiktas-TUR, soltou o verbo sobre a convivência com Renato Portaluppi no Grêmio; saiba mais

Eduardo Caspary
Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Dupla Gre-Nal.

Crédito: Foto: Reprodução/YouTube

Após conseguir a classificação para a Libertadores via Brasileirão de 2012, o Grêmio decidiu abrir os cofres e trouxe uma série de jogadores badalados para o ano seguinte. Nomes como Barcos, André Santos, Vargas e Cris chegaram para reforçar um grupo que já tinha Kleber Gladiador, Zé Roberto, Elano, Marcelo Moreno, entre outros.

Souza, hoje no Besiktas, da Turquia, era titular daquele time e opinou nesta semana, em entrevista dada ao Charla Podcast, o porquê daquela equipe não ter vencido nenhum título em 2013 – nem mesmo o Gauchão, que ficou com o Inter de Dunga.

“Era pra ser uma seleção, mas não rolou. Não deu liga. Questão de encaixe. Já naquela época essa questão da idade fazia diferença. Você contratar jogadores novos, mas bons, é melhor que trazer jogadores mais velhos consagrados. Ter dois ou três mais velhos, é bom. Mas um elenco inteiro não dá”, declarou o jogador.

Souza tem bronca com Renato por período no Grêmio

O time de 2013 começou com Vanderlei Luxemburgo e depois passou para Renato Portaluppi, com quem Souza não tem boas recordações. Nesta entrevista, ele disparou críticas ao trabalho do dia a dia e até à postura do ídolo gremista.

“O Renato ganhou muita copa lá no Grêmio e tal, mas vê o que que ele fez no Campeonato Brasileiro? Nunca fez nada. O Luxemburgo ganhou vários, ele é um treinador de consistência, ele trabalha. Não adianta, você tem que trabalhar. Não adianta ficar naquela resenha de ‘enquanto está na praia, os outros estudam’. Não existe isso, não tem mais espaço para isso. E aí você o resultado que ele teve no Flamengo”, disse.

Souza ainda revelou um episódio em que, supostamente, Renato estaria “perseguindo” Zé Roberto, que virou reserva sob seu comando em 2013. O incômodo de Renato seria as rodas de orações promovidas por Zé na concentração:

“Com Renato eu fiquei muito chateado com uma questão extracampo lá no Grêmio. Quando o Renato chegou, ele estava de alguma forma querendo afetar o Zé (Roberto). O Zé sempre teve muita moral lá no Grêmio, e ele queria tirar o Zé por quê, sei lá, se na época ele ainda tinha a mentalidade de querer ser o ‘o cara’. Querendo ou não, o Zé é o Zé. Não dá para você comparar o nível de carreira, por mais que o Renato tenha ganho muitos títulos”, declarou Souza, para depois encerrar:

“E aí ele ficava com aquela implicância com o Zé. E por o Zé ser cristão também, a gente fazia reunião (de oração) sempre na concentração. Uma vez ele (Renato) ficou sabendo e mandou acabar com a nossa reunião. Ele queria afetar o Zé. Só que tinha o Elano que era católico, o Barcos, outras religiões. Era um momento da gente agradecer pela vida, pela carreira. Eu batia de frente. Sabia que não era pra mim, mas falava o que eu pensava”.