Home Futebol Flávio Prado elege principal culpado pelo novo vexame da seleção brasileira

Flávio Prado elege principal culpado pelo novo vexame da seleção brasileira

Jornalista afirmou que o Brasil ainda foi muito longe no pré-olímpico e tece críticas à CBF por ter “largado o barco” após o bicampeonato

Luciano Ferreira
Jornalista formado pelo Instituto de Ciências Sociais e Comunicação (ICSC) da Universidade Paulista e com especialização em Jornalismo Esportivo em curso pela Faculdade Cásper Líbero. Sou apaixonado por futebol e amo escrever. Desde 2018 escrevo para blogs e sites, além de produzir conteúdo sobre esportes em geral para o Torcedores.com, onde ingressei em 2020 e passei a ter uma maior regularidade nas publicações em 2022. Experiência com cobertura de futebol e basquete para a Wecel Mídia.
Endrick, do Palmeiras, na derrota do Brasil para a Argentina no Pré-Olímpico

Endrick, do Palmeiras, na derrota do Brasil para a Argentina no Pré-Olímpico - (Joilson Marconne/CBF)

PUBLICIDADE

O comentarista Flávio Prado analisou o vexame da seleção brasileira no pré-olímpico e elegeu o maior culpado pelo Brasil ficar fora das Olimpíadas após 20 anos. Durante a edição do “Canelada” do último domingo (11), da Jovem Pan Esportes, o jornalista responsabilizou a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) pela eliminação precoce.

Flávio Prado não alivia para CBF

“Acho que é da CBF e muito, porque vimos a equipe que dava para montar”, iniciou Prado quando questionado pelo colega de bancada, Thiago Asmar, o Pilhado.

O jornalista se recusou a responsabilizar somente o elenco e o técnico Ramon Menezes pelo fracasso da seleção e explicou os motivos que o levam a culpar a entidade.

PUBLICIDADE

Segundo Flávio Prado, vários jogadores como Vitor Roque, do Barcelona, ou Gabriel Martinelli, do Arsenal, que poderiam decidir o torneio, ficaram de fora. Enquanto a CBF não fez o mínimo de esforço para contar com estes atletas.

Além disso, os principais atletas do elenco eliminado do pré-olímpico só estiveram na competição porque lutaram para garantir suas respectivas participações.

“John Kennedy, do Fluminense, facilitou para ir. E o Endrick, repetindo, o Real Madrid exigiu que fosse, senão não iria também. Foi uma coisa largada, de qualquer jeito. Não dá para reclamar”, explicou o comentarista da rádio Jovem Pan.

Prado enfatizou que a entidade não levou o torneio a sério após o bicampeonato em 2016 e 2020, nas Olímpiadas do Rio e de Tóquio, respectivamente.

PUBLICIDADE

“E claro, Ramon Menezes não é lá essas coisas, mas a CBF não não fez o menor esforço. A CBF tem grande responsabilidade, se é se perdeu alguma coisa. Sinceramente eu não sei se perdeu nada”, concluiu Flávio Prado a sua análise.

Seleção está fora da Olímpiada de Paris

Tema da avaliação de Flávio Prado, o vexame do Brasil ocorreu ontem (11), no Superclássico diante da Argentina, em que precisava buscar a vitória para garantir a classificação aos Jogos Olímpicos de Paris 2024.

Os Hermanos abriram o placar aos 33 minutos do segundo tempo, após bela jogada de Barco, do Boca Juniors, que cruzou pela esquerda na cabeça do atacante Gondou.

Com o tento argentino, os brasileiros não conseguiram buscar a igualdade no marcador, que poderia garantir a classificação da seleção olímpica.

PUBLICIDADE

Sendo assim, depois de perder para o Paraguai e vencer a Venezuela nos dois últimos duelos, o Brasil caiu com o revés diante da rival Argentina. Em caso de empate, os brasileiros dependeriam do resultado entre paraguaios e venezuelanos.