Home Futebol Luis Fabiano “esquece” Ronaldo e revela maior inspiração no futebol: “Meu ídolo”

Luis Fabiano “esquece” Ronaldo e revela maior inspiração no futebol: “Meu ídolo”

Ex-jogador ainda relembrou de uma história vivenciada no início da carreira com figura icônica do futebol brasileiro

Cido Vieira
Jornalista graduado no Centro Universitário Uninter. Trabalho no Torcedores.com desde 2017, desempenhando a função de redator. Sou setorista do futebol pernambucano em rádios locais e um verdadeiro apaixonado pelo esporte bretão.
Luis Fabiano pela seleção brasileira

Luis Fabiano pela seleção brasileira - (Walton/Getty Images)

PUBLICIDADE

Convidado do podcast Denílson Show nesta segunda-feira (12), o comentarista Luis Fabiano relembrou momentos marcantes da carreira dentro dos gramados e revelou que Romário foi a sua principal referência no futebol.

Ao passo que o Baixinho já era uma figura consagrada, Fabuloso iniciava a sua trajetória no esporte, defendendo as cores da Ponte Preta, seu time formador. A admiração de Luis Fabiano pelo atacante campeão da Copa de 1994 se tornou ainda maior depois de um agradecimento do próprio Romário, em um duelo entre os dois.

“Eu tinha um ídolo. A partir de 94 eu adotei o Romário como ídolo. Eu adorava ele. Era o cara da época. Antes de um jogo Ponte Preta e Flamengo foram me entrevistar, e eu falei um monte do Romário. Aí no jogo, ele chegou pertinho e disse ‘aí, peixe, valeu pelas palavras’. Não queria mais jogar (risos). Conclusão, 3 a 0 para o Flamengo, dois do Romário. Ele era embaçado”, disparou o ex-jogador.

PUBLICIDADE

Luis Fabiano relembra dificuldade antes de “explodir” na Espanha

Ainda no papo com o pentacampeão Denílson e o jornalista Chico Garcia, Luis Fabiano contou as dificuldades para se consolidar no Velho Continente, onde acabou se tornando ídolo no Sevilla. No clube espanhol, foram seis temporadas consecutivas e diversos títulos conquistados, inclusive da extinta Copa da Uefa, hoje substituída pela Liga Europa nos dias atuais.

“Quando eu fui para Sevilla era minha última chance de estourar na Europa. Porque eu já tinha ido para França e Portugal, que é uma liga inferior. E o começo foi doloroso, peguei um treinador que me cobrava de demais. Ele judiava e dizia ‘Você não está no Brasil’. Ele era bravo, mas sempre me colocou em jogos decisivos”, recorda Luis Fabiano.