Home Extracampo PVC detona pena de Daniel Alves e diz que é “muito pouco”: “Trauma eterno”

PVC detona pena de Daniel Alves e diz que é “muito pouco”: “Trauma eterno”

Comentarista disse que não há como “indenizar” uma pessoa que sofreu com um estupro, o que foi feito pela justiça da Espanha

Matheus Camargo
Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), colaborador do Torcedores.com desde 2016. Radialista na Paiquerê 91,7.
PVC critica pena de Daniel Alves

Daniel Alves na seleção brasileira (Lucas Figueiredo / CBF)

A justiça da Espanha condenou o lateral Daniel Alves a quatro anos e meio de prisão por agressão sexual contra uma mulher de 24 anos em uma boate de Barcelona. A pena, porém, não foi justa para Paulo Vinicius Coelho, o PVC, que em sua coluna no UOL Esporte falou sobre o assunto.

PUBLICIDADE

A justiça entendeu que o pagamento de 150 mil euros, cerca de R$ 800 mil, foi um atenuante da pena de Daniel Alves, que foi considerado culpado.

Porém, para PVC, não há indenização para casos como estes. Ele ainda citou em sua coluna que “multa é para infração de trânsito”.

PUBLICIDADE

“Estupro é crime hediondo”, iniciou PVC, que seguiu:

“E não há como indenizar uma vítima, porque o trauma pode ser eterno. Daí, com todo o avanço da legislação espanhola, é vergonhoso diminuir a pena de Daniel Alves, por ter pago indenização, uma espécie de multa.”

PVC chamou a atenção para a queda no tempo de pena pelo que já foi cumprido

Daniel Alves foi condenado a quatro anos e meio de prisão, ou seja, 54 meses. Entretanto, PVC chamou a atenção para o fato de o jogador estar preso há 13 meses, o que reduz a pena a 41 meses, ou três anos e cinco meses a serem cumpridos ainda na Espanha.

“Abatidos os 13 meses já cumpridos, passam a ser 3 anos e 5 meses. Melhor a condenação do que a absolvição. Mas é pena. É ridícula de pequena para o tamanho do crime”, escreveu o comentarista.

PUBLICIDADE

Além dos quatro anos e meio ao qual foi condenado, Daniel Alves ainda terá que cumprir cinco anos de liberdade vigiada, segundo a justiça espanhola. Ele está preso desde 20 de janeiro de 2023.