Home Futebol Casagrande aponta “futebol chato” no Brasil e exalta três jogadores “irresponsáveis”

Casagrande aponta “futebol chato” no Brasil e exalta três jogadores “irresponsáveis”

Ídolo do Corinthians reprova totalmente a falta de ousadia que está sendo vista, atualmente, em campo

Bruno Romão
26 anos, jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba, amante da escrita, natural de Campina Grande e um completo apaixonado por futebol. Contato: [email protected]
Walter Casagrande.

Casagrande, ex-comentarista da Rede Globo (Reprodução)

Marcado pela habilidade dos jogadores, o futebol brasileiro, na visão de Casagrande, vem perdendo parte da essência. Antes de virar comentarista, o ex-jogador fez parte de uma geração que costumava ser bastante corajosa com a bola nos pés. Porém, o cenário atual é descrito como totalmente oposto, motivo pelo qual três nomes “irresponsáveis” foram exaltados.

PUBLICIDADE

Dono de dribles desconcertantes, Garrincha foi citado como um dos craques que não se importavam em seguir táticas. No entanto, apesar da inspiração, os atletas atuais, na percepção de Casagrande, não possuem disposição para ignorar ordens dos técnicos e confiar apenas na própria capacidade.

“Em cima da chatice do jogo e do futebol seguro, a escola do futebol brasileiro sempre teve uma grande pitada de tempero da irresponsabilidade dos jogadores. Tivemos milhares de jogadores irresponsáveis, positivamente, que faziam o futebol brasileiro ser diferente.”, disse Casão, em live do UOL Esporte.

PUBLICIDADE

“Você pega Garrincha, Edu, do Santos, Paulo César Caju. Tem diversos jogadores do passado que tinham a irresponsabilidade dentro do DNA futebolístico. Não ficavam cumprindo muito tática. Toda hora isso de ‘vamos ver o que o professor vai falar’. Será que o jogador de hoje não tem a capacidade de deixar o professor falar, entrar por um ouvido e sair pelo outro, e fazer uma coisa diferente? Hoje em dia, 99% dos jogadores sentam na frente da sala (de aula) e os professores são chatos.”, acrescentou.

Jogo “chato” de Tite

Arrumando a defesa do Flamengo, Tite não abre mão das convicções táticas. Ainda que o estilo do técnico seja visto como “chato”, Casagrande sinalizou que os poucos gols sofridos em campo podem fazer o Rubro-Negro vencer o Brasileirão.

“O Tite vai bem em mata-mata por clubes. Campeão com o Grêmio na Copa do Brasil, campeão invicto da Libertadores e com o Mundial no Corinthians. Ele tem esse DNA de ser melhor em mata-mata. Mas o time do Flamengo, com esse modo chato do Tite jogar, que se preocupa muito em não tomar gol e pouco em fazer gols…. esse tipo de jogo funciona nos pontos corridos porque se precisa de uma regularidade.”

“Quem toma poucos gols em pontos corridos, mesmo não tendo o melhor ataque, pode ser o campeão com a melhor defesa.”, afirmou.

PUBLICIDADE