Home Futebol Flamengo deixa renovação nas mãos de Gabigol, afirma presidente

Flamengo deixa renovação nas mãos de Gabigol, afirma presidente

Rodolfo Landim responde questionamentos sobre um novo vínculo do atacante e garante que clube não será refém

Beatriz Ojeda
Ex-atleta, formada em Letras e apaixonada por esportes desde sempre. Colaboradora do Torcedores por ser o melhor lugar para aliar as duas grandes paixões.
Gabriel Barbosa

Gabigol em partida contra o Coritiba (Créditos: Marcelo Cortes/ Flamengo)

Na semana anterior, Gabigol foi condenado a cumprir dois anos de afastamento dos gramados por tentativa de fraudar um teste antidoping. O jogador, que vive o último ano de contrato, tem também uma renovação com Flamengo travada desde 2023. Em entrevista, o presidente Rodolfo Landim se mostrou sincero sobre um novo vínculo, cravando que será definido apenas no final do ano, explicando os motivos da falta de acordo.

PUBLICIDADE

Rodolfo Landim atualiza sobre situação de Gabigol

Em entrevista à CBN, o presidente foi questionado sobre as opiniões dos torcedores que acreditam que o clube está deixando ir um ídolo. O mandatário foi sincero e afirmou: “Não estamos abrindo mão, só não seremos reféns de um valor qualquer arbitrado por ele, muito acima do mercado que ele tem para renovar. Foi esta a principal razão pela qual não renovamos no passado. E nenhum jogador perderá mais se não tiver o contrato renovado do que ele, exatamente por ser um grande ídolo. Perda de imagem que terá e se refletirá para toda a sua vida será brutal, não tenho dúvida disso”.

Internamente, a diretoria do clube acredita que a renovação de Gabigol será uma das principais pautas em pleno ano eleitoral do Flamengo. O assunto é motivo de debate tanto em grupos aliados ao presidente como pela oposição.

PUBLICIDADE

A negociação travada em 2023 teve mais um capítulo acrescentado com a suspensão de Gabriel Barbosa por tentativa de fraude de exame antidoping. Atualmente, o jogador aguarda o julgamento na Suíça. Enquanto isso, a gestão do Flamengo torce para um acordo positivo entre ambas as partes, possivelmente apenas no final do ano. Logo, com risco de perder o atacante de graça ou que ele assine um pré-contrato no meio do ano.