Home Futebol Casagrande rechaça status de Cássio no Corinthians: “É uma injustiça” 

Casagrande rechaça status de Cássio no Corinthians: “É uma injustiça” 

Comentarista não condenou possível escolha do goleiro em deixar o clube paulista

Bruno Romão
26 anos, jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba, amante da escrita, natural de Campina Grande e um completo apaixonado por futebol. Contato: [email protected]
Cássio.

Cássio, ídolo do Corinthians (Rodrigo Coca/ Agência Corinthians)

Mantido na reserva do Corinthians, Cássio não se manifestou após a vitória sobre o Argentinos Juniors. Alvo do Cruzeiro, o camisa 12 pode encerrar a trajetória no Timão de maneira inesperada, tendo em vista a possibilidade de liberação antes do término do contrato. Neste cenário, Casagrande, ao sair em defesa do atleta, considera que não existe nenhuma traição no eventual processo de saída.

PUBLICIDADE

“Em relação a traidor, gente, pelo amor de Deus, como que pode falar uma coisa dessa de um jogador que está lá há 12 anos, defendeu o time nas horas maravilhosas e nas horas ruins e ficou lá?”, iniciou Casão, em live do UOL Esporte.

Mesmo falhando em campo, Cássio nunca se escondeu de questionamentos. Diante da postura exemplar do goleiro, Casagrande enxerga que o arqueiro está sendo injustiçado com a alcunha de traidor.

PUBLICIDADE

“Quem dá entrevista é ele, ninguém põe a cara para bater. Na semana passada, o Yuri Alberto não quis dar entrevista e o Cássio foi lá e deu entrevista, com todo mundo detonando o cara. Ele nunca virou as costas.

Chamar o cara de traidor é querer colocar mais fogo na lenha, é querer colocar mais fogo nessa lenha, é uma injustiça, eu acho sacanagem fazer isso. Pode criticar o Cássio do jeito que for, agora você chegar e falar que o cara é traidor?”, completou Casagrande.

António Oliveira exalta Cássio

Sem dar pistas do futuro de Cássio, António Oliveira valorizou o legado do goleiro no Corinthians. Embora tenha sido o responsável por colocar o jogador no banco, o técnico não quis se aprofundar na decisão que fez Carlos Miguel virar titular.

“É um grandíssimo goleiro, é o maior ídolo da história do clube, e isso não se apaga, vai ficar gravado nas páginas douradas deste clube. Não sou eu que vou decidir a vida do Cássio, portanto, aquilo que eu posso dizer como ser humano é um jogador de uma dimensão humana fantástica, de uma personalidade fantástica, de um grande caráter, trabalhador, homem de família […] Um dia vou morrer feliz por dizer que fui treinador do Cássio.”, afirmou.

PUBLICIDADE