Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Feijão, ex-número 1 do Brasil, é banido permanentemente do Tênis

Ex-número 1 brasileiro, Feijão não poderá mais atuar profissionalmente no mundo do Tênis; entenda a situação

Luis Fernando Filho
Jornalista formado, 23 anos, e fanático pelo futebol bem jogado para além das quatro linhas.

Crédito: Reprodução/Facebook

O tenista brasileiro João Souza, o Feijão, soube que será extinto para sempre do Tênis após uma série de irregularidades. Entre elas, acusações de corrupção dentro do esporte.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

O atleta havia sido punido desde abril de 2019 pelo Tennis Integrity Union (TIU), quando a associação acusou Feijão de manipular resultados dos seus jogos de simples e dupla em torneio disputado no México.

Dessa forma, o brasileiro foi banido neste início de 2020, além de ter que pagar US$ 200 mil (R$ 800 mil na cotação atual). O tenista não poderá mais atuar profissionalmente no Tênis.

O andamento do banimento de Feijão

Além de estar respondendo pelo caso desde o ano passado, João acumulou provas contra si durante os últimos meses. Nesse sentido, o TIU abriu inquérito.

O tenista, por exemplo, havia sido advertido por atitude antidesportiva após dizer ao companheiro João Menezes que não se esforçaria em jogo do Challenger de Morelos, onde atuava nas duplas.

O brasileiro já foi considerado o número 1 do país, ou seja, viveu o auge dentro do esporte nacional. No entanto, a série de acusações sucumbiram a carreira do tenista.

A TIU revelou que as investigações foram feitas de forma justa, inclusive, com a associação recolhendo o celular de Feijão durante o processo.

Sendo assim, o brasileiro deve seguir a carreira de treinador dentro do Tênis e já comenta sobre isso nas redes sociais.

LEIA MAIS: Flamengo pode enfrentar maratona de 9 mil km em fevereiro e conquistar três títulos em 10 dias; entenda a logística

Time feminino do VITÓRIA corre o risco de ser extinto: “Prejuízo moral e financeiro”