Sem acerto com o Grêmio, Edilson fica no Cruzeiro e afirma: “Vontade imensa de participar dessa reconstrução”

Lateral-direito de 33 anos chegou a abrir negociações para voltar ao Grêmio em 2020

Eduardo Caspary
Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Dupla Gre-Nal.

Crédito: Foto: Eduardo Caspary/Torcedores.com

Após não concretizar a sua volta ao Grêmio, algo que era do seu declarado interesse, o lateral-direito Edilson, 33 anos, acertou a permanência no Cruzeiro para 2020. Ele fez parte da trágica campanha do rebaixamento no Brasileirão do ano passado e aceitou reduzir o salário para permanecer.

Conheça a 1xBet:

Um novo jeito de fazer sua aposta esportiva!

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

De acordo com o Globoesporte.com, ele também acertou com a diretoria o pagamento de valores atrasados e cumprirá contrato até dezembro. No Instagram, o jogador se mostrou empolgado por poder “participar da reconstrução desse gigante”:

“O ano 2019 não terminou da maneira como gostaríamos. Problemas conhecidos por todos, responsabilidades que, de minha parte, faço questão de assumir. Mas a vida é feita de reviravoltas e participar da reconstrução de um GIGANTE passa a ser nao só uma meta, mas uma obsessão. Mais do que isso, um compromisso”, escreveu, antes de concluir:

“Sinto que se as coisas não deram certo no final, simplesmente não chegamos no final. A temporada de 2020 será dura, com desafios e obstáculos pela frente. Mas a vontade de participar disso tudo é imensa e incondicional. Nas férias pude pensar bastante, refletir, conversar com pessoas que confio. A convicção é de que eu PRECISO dar esta resposta não só à nação cruzeirense, mas também à mim mesmo. Que tenhamos êxito na caminhada!”, acrescentou.

Ver essa foto no Instagram

O ano 2019 não terminou da maneira como gostaríamos. Problemas conhecidos por todos, responsabilidades que, de minha parte, faço questão de assumir. Mas a vida é feita de reviravoltas e participar da reconstrução de um GIGANTE passa a ser nao só uma meta, mas uma obsessão. Mais do que isso, um compromisso. Sinto que se as coisas não deram certo no final, simplesmente não chegamos no final. A temporada de 2020 será dura, com desafios e obstáculos pela frente. Mas a vontade de participar disso tudo é imensa e incondicional. Nas férias pude pensar bastante, refletir, conversar com pessoas que confio. A convicção é de que eu PRECISO dar esta resposta não só à nação cruzeirense, mas também à mim mesmo. Que tenhamos êxito na caminhada!

Uma publicação compartilhada por Edilson Mendes (@edilsonoficial33) em

E o Grêmio?

O conteúdo da postagem, no entanto, contrasta com a postura de Edilson durante as negociações com o Grêmio, que, por parte de sua direção, principalmente através do presidente Romildo Bolzan Jr, não o quis de volta. Em entrevista à Rádio Liberdade FM, o jogador deixou claro o desejo que tinha para 2020:

“Casa eu já tenho em Porto Alegre (risos). Mas independentemente de tudo, tenho que voltar para Belo Horizonte, tenho contrato com o Cruzeiro ainda, mais um ano. Tenho que me apresentar. Há especulações. De repente posso retornar. Mas isso o Gilmar (Veloz, empresário) vai conversar com o Klauss (diretor de futebol do Grêmio). Mas a vontade, sempre deixei claro, por ter um carinho muito grande pelo Grêmio, é de um dia retornar. E esse seria um grande momento, por tudo o que vem acontecendo”, afirmou.

Bolzan, por sua vez, revelou ter explicado as suas razões via mensagens ao jogador:

“O Edilson é um sujeito que saiu daqui com as portas abertas, saiu daqui com uma situação boa […] É simplesmente uma opção técnica [de não contratá-lo]. Eu tive um diálogo com o Edilson hoje via WhatsApp e é definitivo [que ele não será contratado]”, contou o dirigente à Rádio Gaúcha.

Para a posição de lateral-direito, o Grêmio contratou Victor Ferraz nesta janela e ainda aguarda a volta de lesão de Leonardo Gomes, o que deve ocorrer entre maio e junho.

LEIA MAIS:

Ídolo do Grêmio, Douglas se recusa a marcar em jogo festivo: “Não corri a carreira inteira, vou correr hoje?”