Teco recorda dupla com William, lamenta lesão que mudou a carreira e ainda crê em títulos do Grêmio de Renato

Reportagem do Torcedores.com conversou com o ex-zagueiro gremista na temporada de 2007

Eduardo Caspary
Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Dupla Gre-Nal.

Crédito: Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

Contratado para ser o “dono” da defesa gremista em um ano importante de Libertadores, o experiente argentino Schiavi certamente não esperava sentar no banco. Mas compreendeu que, naquele momento, não estava jogando mais bola que o então jovem Teco, uma das gratas surpresas do Grêmio, de Mano Menezes, vice-campeão da América em 2007.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Em uma dupla bastante afinada com William, o zagueiro canhoto chegou a convencer os alemães do Hoffenheim a contratá-lo, o que ficou acertado para depois do término da competição continental. No entanto, uma grave lesão no joelho justamente no jogo decisivo da Libertadores contra o Boca Juniors, no Olímpico, “melou” a transferência e abreviou a passagem do atleta pelo Olímpico.

Esses temas e também a provável chegada de Diego Souza, seu-ex colega naquele time, ao Grêmio de Renato foram tratados na entrevista exclusiva de Teco à reportagem do Torcedores.com:

Torcedores: Abrindo a conversa com um assunto do momento… você foi colega do Diego Souza no Grêmio em 2007. Depois de todo esse tempo, ele ainda seria uma boa?

Teco: Naquele ano éramos jovens e pouco conhecidos pela torcida gremista e pela imprensa. Aos poucos, as coisas foram funcionando dentro e fora de campo e acabamos conquistando a confiança de todos. Um dos jogadores que me ajudaram muito na minha trajetória dentro do Grêmio foi o Diego Souza. Éramos muito amigos fora de campo e tínhamos um perfeito entrosamento. Eu acho o Diego Souza a cara do Grêmio. Jogador de força, de raça, jogador que briga pela bola perdida, jogador que não gosta e não aceita a derrota.

Torcedores: Mas o futebol mudou bastante. E ele também.

Teco: Óbvio que depois de 12 anos as coisas mudam. Ele já não joga mais no meio de campo, já não tem mais a mesma vitalidade de 2007. Enfim, só ele mesmo vai poder mostrar o quanto ele é bom e o quanto é merecedor de estar vestindo essa camisa novamente. Com certeza estarei torcendo pra ele tenha mais sucesso ainda do que em 2007, pois ele merece e a nação gremista merece mais ainda.

Torcedores: Continuando em 2007, você formou uma grande dupla de zaga com o William. Guardadas as proporções, é possível fazer algum tipo de comparação com a atual dupla Geromel e Kannemann?

Teco: Realmente eu e o William formamos uma boa dupla. Tínhamos um belo entrosamento desde a época que jogávamos juntos no Ipatinga. Minha adaptação no Grêmio foi bem mais fácil devido ao apoio que tive do William, sou muito grato a ele. Mas não existe comparação com o Geromel e o Kannemann. Eles conquistaram quase tudo que disputaram e títulos marcam a história do jogador no clube. Infelizmente em 2007 não conquistamos a América. Sinceramente não gosto de comparações, cada um tem seu estilo de jogo e, assim como Geromel e Kannemann se completam, eu e o William nos completávamos.

Torcedores: Qual o tamanho da frustração por ter lesionado gravemente o joelho na grande final da Libertadores contra o Boca? Sente que a tua carreira poderia ter sido diferente se não ocorresse aquela fatalidade?

Teco: Realmente aquilo foi uma grande fatalidade. Eu estava vivendo o melhor momento da minha vida. Já estava negociado com o Hoffenheim, da Alemanha. Era só terminar a final da Libertadores que iria se concretizar o negócio. Sem dúvida que depois da lesão minha carreira teve uma queda, caso contrário certamente teria outros rumos. Mas sinceramente eu não sou de lamentar, sou muito otimista e acredito que aconteceu pois tinha um propósito maior pra mim.

Torcedores: Depois desse triste lance da lesão, você teve uma outra lesão de joelho e acabou não tendo mais muito espaço no Grêmio em 2008. Ficou algum tipo de frustração ou mágoa por não ter feito mais história no clube ou ao menos ter ficado mais tempo?

Teco: Pelo contrário. O que ficou foi minha gratidão ao Grêmio por ter tido paciência comigo e por ter dado as melhores condições pra eu voltar a jogar em alto nível. Obviamente que eu gostaria de ter permanecido, ter feito história, ter jogado mais e mais no tricolor, mas eu sei que o clube é uma empresa e um jogador lesionado gera despesas. Eu fiquei 18 meses sem atuar, entregue ao departamento médico e o Grêmio agiu da maneira correta.

Torcedores: Você passou por outros clubes importantes como Cruzeiro e Botafogo, mas acredita que foi no Grêmio que jogou o melhor futebol da carreira?

Teco: Tenho certeza que no Grêmio eu atingi o ápice da minha carreira. Infelizmente, devido às lesões, eu não pude permanecer por mais tempo. Mas eu joguei um Gauchão no qual fomos campeões, uma Libertadores na qual fomos vice e alguns poucos jogos do Brasileirão, até porque no início do Brasileiro já estávamos no mata-mata da Libertadores e o Mano Menezes utilizava a equipe reserva. Mas mesmo assim, até hoje, depois de 12 anos, ainda tenho o reconhecimento dos torcedores e isso não tem preço que pague! Esse carinho que vem do torcedor é indescritível.

Torcedores: Para fechar. De um modo geral, como você vê o Grêmio do Renato Gaúcho? Sente que existe um “fim de ciclo” ou ainda é possível ganhar outros grandes títulos com esse trabalho?

Teco: Acredito que esse “ciclo” está cada vez mais perto do fim. É natural uma reformulação de equipe e de estilo de jogo. Eu não acho certo, mas no país onde vivemos existe uma cultura em que o treinador é culpado pelas frustrações da equipe e sempre paga o pato por isso. Mas antes de encerrar, tenho certeza que o Grêmio ainda conquista títulos, é isso que eu e todo torcedor gremista espera. Hoje eu sou mais um dos muitos milhões de torcedores e posso dizer com todas as letras, obrigado, Grêmio.

LEIA MAIS:

Coudet elogia Sarrafiore, diz o que mais gostou no Inter e promete novidade para os próximos dias

Antes de atrito com Dourado, Maicon se estranhou com Damião: “Mandei pra aquele lugar”

Douglas Costa corrige site flamenguista e reforça que no Brasil só joga no Grêmio

Siga o autor:

No YouTube

No Instagram