O que mudou no Mirassol desde o 6 a 2 contra o Palmeiras de 2013?

O Mirassol teve altos e baixos desde então, mas aos poucos está se reerguendo e voltando a conquistar seu espaço na elite do futebol

Gabriella Brizotti Cesar
Colaborador do Torcedores

Crédito: Foto: Reprodução/Mirassol

Era uma quarta feira, 27 de Março de 2013, em campo pelo Paulistão se enfrentavam Mirassol x Palmeiras. O jogo acontecia na casa do Leão e era válido pela primeira fase da competição.

Na época, o Mirassol lutava contra o rebaixamento no estadual, por outro lado o Palmeiras passava por uma reformulação e disputaria a série B do Brasileirão naquele ano. No entanto, o que o Verdão não esperava era a goleada que estava por vir. Logo no primeiro tempo, o Leão matou o jogo, marcando seis gols. O Palmeiras até tentou reagir e anotou duas bolas na rede, mas não foi o suficiente para evitar a humilhação.

Apesar da goleada, o Mirassol não conseguiu se livrar do rebaixamento no estadual, e o Palmeiras apesar de avançar, foi eliminado já nas oitavas do torneio.

Sete anos se passaram desde o fatídico dia, e de lá pra cá muita coisa mudou, principalmente no clube do interior de São Paulo.

Em busca da série A1

No ano seguinte, o Mirassol prontamente anunciou reforços. O atacante Ricardinho, que era do São Bernardo e o volante Peterson, ex Fortaleza foram anunciados. No entanto, o Leão terminou a série A2 em quinto lugar e não conseguiu o acesso para a série A1.

Chegou então o ano de 2015 e mais uma vez o Mirassol tentava voltar a elite do futebol paulista. Neste ano, foi anunciado um novo técnico, era chegada a hora de Evaristo Piza assumir. O comandante havia sido campeão da A2 no ano anterior pelo Capivariano. Apesar da contratação, a equipe interiorana amargou mais uma vez a quinta colocação do campeonato série A2 e não garantiu a classificação.

A volta por cima

Para a disputa em 2016, o Mirassol apostou em mais duas contratações. Chegaram o goleiro Edson Pereira – ex Criciúma, o lateral-direito Danilo dos Santos – ex ASA-AL e também os volantes Paraíba e Jardson Sape.

Neste ano, o Leão da Alta Araraquarense conseguiu a segunda posição no Paulistão A2 e conquistou a tão sonhada classificação para a elite estadual.

Em sua reestreia a série A1 do Paulistão, o Mirassol anunciou a contratação do volante Paulinho – ex Paysandu e do lateral-esquerdo Tony – ex Bahia. A volta foi marcada com uma boa campanha, a nona colocação geral e a classificação para a série D 2018 e ao Campeonato do Interior.

Em 2018, tentando se aproximar de seu público, lançou o chamado “Passaporte do Leão”, que após a compra, dava direito ao torcedor assistir um número determinados de partidas da equipe no Paulistão. Neste ano, o Leão terminou o torneio em 10º. Também assegurou o segundo lugar do Campeonato do Interior.

Se reerguer é preciso

Se firmando no Paulistão, em 2019 o Mirassol não foi tão feliz. Após anunciar algumas contratações como do atacante Felipe Augusto e do zagueiro Guilherme Teixeira, terminou o campeonato em 12º posição. Se não bastasse, ainda foi eliminado do troféu do interior.

Mas ao que tudo indica, para 2020 a equipe comandada atualmente por Ricardo Catalá está apontando melhoras. Até o momento no Paulistão a equipe ainda não perdeu, soma dois empates e duas vitórias. Contra o Botafogo-SP, o Leão mais uma vez goleou por seis gols.

Além da equipe principal, o time de base também vem dando um retorno bom, foi eliminado nas oitavas de final da Copinha, diante do Corinthians, entretanto fez um bom jogo. Além disso, foi construído um incrível centro de treinamento, com parte do dinheiro referente a transferência do atacante Luiz Araújo para a França.

LEIA MAIS

Notícias do Palmeiras: Grama sintética, provocações e mais; veja o que rolou nesta quinta (13)

Paulistão: São Paulo, Novorizontino e Mirassol permanecem invictos no torneio