Crianças refugiadas começam a treinar em escolinha do Santos

Em parceria com a ACNUR, o Santos recebeu 8 crianças refugiadas para seu primeiro dia de aula na Escola Meninos da Vila

Flavio Souza
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Divulgação / Site oficial Santos

Nesta quinta-feira (13), 8 crianças da Síria e do Congo tiveram uma experiência única. Uma parceria entre a ACNUR (Agência da ONU para Refugiados) e o Santos foi responsável por levar as crianças para seu primeiro dia de aula na rede de escolas ‘Meninos da Vila’. As oito crianças foram matriculadas na Unidade de Vila Talarico (SP).

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Acompanhe as notícias do seu time pelo Facebook

“A inclusão das crianças é muito importante. Esta parceria é fruto de vínculo firmado entre o Santos FC e a ONU. Todas as unidades ‘Meninos da Vila’ do Brasil terão vagas disponíveis para atender crianças refugiadas, com uma média de cinco vagas para cada unidade”, declarou o presidente José Carlos Peres.

“Quando meus filhos entraram em campo com o Santos FC, meu pai me ligou lá do Congo e falou: não acredito que os meus netos entraram em campo com o time do Rei Pelé. E hoje temos a oportunidade de estarmos juntos novamente neste dia que, sem dúvidas, foi inesquecível para as crianças”, declarou Prudence Kalambay, mãe de uma garotinha refugiada da República Democrática do Congo.

Parceria Santos x ACNUR

Essa ação faz parte de um termo de cooperação firmado entre a Agência da ONU e o Peixe.  Neste acordo está previsto a capacitação dos profissionais do clube e a indicação de pessoas refugiadas para atividades de inclusão social, entre elas o acesso de crianças refugiadas às escolas de futebol oficial do Santos FC em todo o Brasil, assim como a promoção do tema do refúgio em campanhas conjuntas de comunicação.

Representantes do ACNUR e do Santos FC asseguraram que o compromisso assumido ultrapassa as iniciativas dentro de campo de futebol, ampliando o conhecimento e o alcance de mensagens sobre o tema dos refugiados.

“Como marca reconhecida mundialmente, o Santos Futebol Clube tem responsabilidade social com questões que envolvam não somente o Brasil, mas também o exterior. É preciso olhar com serenidade e sensibilidade para as histórias de vida de pessoas refugiadas. Queremos aproveitar nossa condição de O Maior Brasileiro do Mundo para, em parceria com o ACNUR, abrir as portas de nosso país para estas pessoas, para que se sintam acolhidas e respeitadas”, disse José Carlos Peres, presidente do Clube.

“O ACNUR enxerga o esporte como uma ferramenta fundamental de desenvolvimento pessoal e integração social, reforçado pela convivência e espírito de coletividade entre seus participantes. Tendo um importante clube como o Santos como parceiro estratégico para a implementação de iniciativas de inclusão e comunicação, novas pessoas se sensibilizarão para que os refugiados possam ser bem acolhidos em nosso país”, afirmou Jose Egas, Representante do ACNUR no Brasil.

Ações já realizadas

Como pontapé inicial da parceira, 11 crianças refugiadas de diferentes nacionalidades entraram em campo com os jogadores do Santos na partida contra o Red Bull Bragantino, no dia 23 de janeiro. Após a entrada em campo, as crianças puderam assistir ao jogo com seus pais, proposta que será mantida ao longo do ano.

LEIA MAIS

“Repercussão infeliz”: Edinho nega que Pelé esteja depressivo e cita frase tirada de contexto

Soteldo diz que Sampaoli e Jesualdo são treinadores diferentes e crava: “Sánchez é o jogador mais importante do Santos”