Jornalistas acreditam em futuro promissor de Thiago Wild: “Acredito que ele tem jogo para ultrapassar a barreira do Top-50”

Thiago Wild é uma das grandes promessas do tênis brasileiro.

Felipe Persiani
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Reprodução/YouTube

O jovem de apenas 20 anos se destacou nas últimas semanas, antes do Coronavírus chegar e paralisar o esporte. O Torcedores.com escutou alguns jornalistas especializados sobre até onde ele vai, principais desafios após o primeiro título nível ATP e quais os pontos forte do seu jogo. Fique ligado!

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Thiago Wild: Até onde ele vai?

Com apenas 20 anos de idade, Wild tem um potencial de crescimento grande e o futuro é promissor.

Vinicius Araujo, da Revista Tênis, acredita que Thiago vai longe no circuito da ATP. “Em breve estará entre os 100 melhores tenistas do mundo. Acredito que ele tem jogo para ultrapassar a barreira do Top-50. Tem um estilo bem aderente em todas as superfícies. Joga melhor no saibro, mas já foi campeão do US Open juvenil no piso rápido. Na quadra dura e na terra batida ele tem potencial de desempenhar grandes resultados”, avaliou.

Eduardo Oncins também acredita que o tenista brasileiro pode alcançar o Top-50. “Existem uma série de fatores para avaliar até onde pode chegar: econômicos, sorte para não sofrer lesão, se vai continuar conduzindo a cabeça dele desse jeito, super favorável, é bem otimista, vai para cima”, acrescentou o comentarista e treinador de tênis.

Thiago Wild: principais desafios após o primeiro título nível ATP?

O jovem tenista brasileiro conquistou seu primeiro título no circuito profissional. Derrotou na final do ATP 250 de Santiago, no Chile, o norueguês Casper Ruud, que era cabeça de chave número dois, por 2 sets a 1 (7/5, 4/6 e 6/3).

Para Jeff Paiva, que comanda o podcast Backhand na Paralela junto com Ariane Ferreira, acredita que o principal desafio de Wild será manter o foco. “Imagino que seus principais desafios agora sejam, quando o circuito ATP voltar da paralisação pelo Covid19, manter o foco e escolher bem seus próximos torneios. Uma oportunidade interessante vai se apresentar, pois muitos pontos serão perdidos e/ou congelados. Se fizer escolhas sábias em termos de torneios a serem disputados, vai poder subir bastante o ranking e se credenciar para jogar contra adversários mais fortes”, argumentou.

Ariane Ferreira participa do podcast Backhand na Paralela e escreve para o site Tênis News. Segundo a jornalista, Thiago Wild deve manter os pés no chão e a cabeça no lugar, pois apesar do título, sua carreira está apenas começando.

Outro ponto mencionado por Ariane é a questão da paralisação do esporte. “Para piorar a situação, a gente tá enfrentando o Covid-19 e a parada no circuito é ruim para os jogadores que estavam cheios de confiança, que era o caso do Thiago. Não deixar essa confiança acabar e nem “esfriar ” o ritmo é importante”, falou.

Completou. “Ele também vai precisar lidar com a expectativa do mundo sobre ele e a expectativa do Brasil, que é muito cruel, principalmente com tenistas e nadadores. O torcedor brasileiro não tem paciência pra esses atletas individuais e são bem cruéis”

Vinicius pontuou questões semelhantes aos outros jornalistas, como manter os pés no chão, mas acrescentou que o preparo físico de Wild precisa ser trabalhado. “Focar muito no preparo físico, pois os jogos do circuito ATP, principalmente, os confrontos maiores exigem mais resistência. Precisa melhorar o condicionamento para aguentar as partidas”, analisou.

Thiago Wild: pontos fortes, quais são?

Os jornalista mencionaram alguns pontos como sendo os mais fortes do Thiago Wild: direita potente e pesada, bom voleio (golpe que pode usar mais), habilidade e agressividade.

Ariane Ferreira pontuou sobre a naturalidade que Thiago consegue fugir da esquerda e bater com a direita, surpreendendo o adversário e avaliou o saque dele. “O primeiro serviço do Thiago também é bastante eficiente, não é muito rápido, mas é bem colocado e saber colocar um saque é muito importante”, explicou a jornalista.

“Nestes anos tenho visto a evolução dele, com ênfase na estratégia de jogo e um trabalho forte de condicionamento psicológico, para fazer valer o talento bruto e encapsular em uma mente mais analítica e menos reativa. Ainda há muito o que fazer mas ;é claro que a evolução está acontecendo”, considerou Jeff.

Eduardo Oncins avaliou o diferencial do Thiago Wild. “É saber jogar muito bem sob pressão. Quanto maior a pressão, mais focado e determinado ele fica”, disse.

LEIA MAIS

Roland Garros: organização adia torneio devido ao coronavírus