Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

15 jogadores de sucesso no Brasil que são odiados pelos rivais

Polêmicas aliadas a grandes atuações – com dribles e gols – são os principais fatores que fazem um jogador ser odiado por rivais no Brasil

Marcel Thomé
Colaborador do Torcedores.com

O Brasil é um celeiro de grandes jogadores. No entanto, não é possível para boa parte os excelentes atletas ganhar a admiração de todos os torcedores do país, já que eles atuam ou atuaram em clubes cheios de rivalidade.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Por isso, apesar de todo os sucesso com grandes títulos dentro de campo e admiração por parte dos torcedores dos clubes que defenderam, eles despertam o ódio nos torcedores e até mesmo em jogadores rivais.

Confira 15 jogadores de sucesso que são odiados por rivais:

Jorge Henrique – eleito como o jogador mais irritante do Brasil em 2012 em pesquisa com o próprios atletas feita pelo “UOL Esportes”, o atacante, hoje defendendo o Náutico, ficou marcado por sua passagem pelo Corinthians, quando foi campeão da Libertadores e do Mundial em 2012.

Valdivia – o chileno é adorado por parte dos palmeirenses pelas grandes atuações com a camisa do Verdão, mas é odiado por torcedores e jogadores rivais, pois sempre tripudiou dentro e fora de campo após vitórias.

D’Alessandro – amado pelos torcedores do Internacional, clube pelo qual ainda atua, o meia argentino, por outro lado, é um dos atletas mais odiados pelo lado gremista de Porto Alegre, por causa de seu sucesso e liderança no rival.

Maicon – o inverso ocorre com o meio-campista do Grêmio, tão influente quanto D’Alessandro no Rio Grande do Sul nos últimos anos de sucesso com a camisa do Imortal. Os dois, inclusive, são grandes protagonistas nos últimos Gre-Nais.

Ricardo Oliveira – apesar de ser pastor de igreja fora dos gramados, o centroavante do Atlético-MG sabe como “azucrinar” os rivais. Em 2015, quando ainda defendia o Santos, o artilheiro criou uma grande rusga com jogadores e torcedores do Palmeiras pela disputa por títulos entre as duas equipes naquele ano.

Rogério Ceni – ídolo no São Paulo, o goleiro nunca teve a mesma simpatia dos torcedores e jogadores rivais, por sua postura de líder no Tricolor -considerada por muitos arrogante -, além dos diversos gols de falta e pênalti.

Marcelinho Carioca – o “pé de anjo” é um dos maiores ídolos do Corinthians, mas até hoje não é muito bem quisto por torcedores rivais, que sofreram com suas grandes exibições e gols, principalmente os de bola parada.

Edmundo – ídolo no Palmeiras e no Vasco, o “Animal” também era odiado por jogadores e torcedores rivais quando jogava e dava seus dribles humilhantes.

Marcos Rocha – o lateral do Palmeiras atualmente está mais comedido, mas quando o assunto é a rivalidade Atlético-MG x Cruzeiro, o ex-atleticano não perde a chance de cutucar os cruzeirenses.

Thiago Neves – o meio-campista do Grêmio, apesar da forma ruim como saiu do Cruzeiro, deixou boas lembranças nos torcedores da Raposa quando o TN10 cutucava o rival Galo.

Edilson Capetinha – o atacante fez sucesso no Palmeiras campeão paulista e brasileiro em 1993 e 1994, mas alguns anos depois defendeu o arquirrival Corinthians e passou a ser odiado pelos palmeirenses.

Paulo Nunes – o sucesso com a camisa do Palmeiras na década de 1990 ficou marcado também pelas brincadeiras que tiravam os rivais do sério.

Felipe Melo – o atualmente zagueiro fez sucesso e criou polêmicas por todos os clubes pelos quais jogou na carreira, seja na Itália, na Turquia ou agora no Brasil, defendendo o Palmeiras.

Neymar – o craque brasileiro do PSG fez muito sucesso no início de carreira quando defendia o Santos e humilhava os rivais com seus gols e jogadas de efeito. É odiado por isso, principalmente, pelos corintianos.

Bruno Henrique – atual campeão brasileiro e da Libertadores com o Flamengo, o atacante deixou a modéstia de lado na última temporada e deu algumas entrevistas polêmicas que deixaram os rivais bastante chateados como quando disse que o Fla estava “em outro patamar” após um clássico contra o Vasco.

LEIA MAIS: