Dupla Ba-Vi são os maiores campeões da Copa do Nordeste; veja lista

Regional mais disputado do Brasil, a Copa do Nordeste existe desde 1994 com Bahia e Vitória sendo os maiores campeões da ‘Lampions League’

Luis Feitosa
Jornalista graduado e amante de futebol e futebol americano

A Copa do Nordeste é um dos principais campeonatos do Brasil e voltou a estar regularmente no calendário brasileiro na última década. Existente desde 1994, a competição teve 16 edições com o Vitória sendo o maior campeão da história com quatro conquistas.

Siga o Torcedores no Facebook para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes

A primeira edição da Copa do Nordeste aconteceu em 1994 e teve o Sport como campeão. Na final contra o CRB, o Rubro-Negro pernambucano empatou sem gols e conquistou o troféu na disputa de pênaltis. A competição ficou fora do calendário nas duas temporadas seguintes e voltou em 1997 com o Vitória conseguindo seu primeiro título ao bater o rival Bahia na final ao vencer o primeiro jogo por 3 a 0 e perder o segundo por 2 a 1.

A Copa do Nordeste continuou sendo realizada até a temporada 2003 antes do novo hiato que duraria seis temporadas. Voltando a acontecer em 2010, a competição saiu do calendário nos dois anos seguintes e depois voltou a ser realizada até os dias atuais. Desde então, sete equipes se consagram campeãs do torneio com o Fortaleza conquistando o torneio em 2019 sob o comando de Rogério Ceni.

Confira a lista completa com todos os campeões da Copa do Nordeste de 1994 até 2019:

Vitória – 4 (1997, 1999, 2003 e 2010)

Bahia – 3 (2001, 2002 e 2017)

Sport – 3 (1994, 2000 e 2014)

América-RN – 1 (1998)

Campinense – 1 (2013)

Ceará – 1 (2015)

Santa Cruz – 1 (2016)

Sampaio Correa – 1 (2018)

Fortaleza – 1 (2019)

LEIA MAIS:

Relembre quais times estavam classificados para as fases finais dos estaduais antes da pandemia

Sobrinho de Laudo Natel, vice-presidente do São Paulo coleciona problemas com Leco

Estratégias diferentes, resultados iguais: redes sociais de clubes brasileiros crescem na pandemia