Flamengo e mais: Camisas pesadas do futebol invadem Superliga

A parceira do Flamengo com o Sesc Rio foi oficializada nessa sexta-feira (17) em coletiva realizada na sede do clube na Gávea e colocou o Rubro-Negro ao lado de outras quatro camisas do futebol na Superliga

Andressa Fischer
Gaúcha, 22 anos | Escrevo sobre vôlei, futebol feminino e dupla Gre-Nal.

Técnico do Sesc Rio desde a época que o projeto era sediado no Paraná, Bernardinho segue no comando do time, agora com as cores do Flamengo. Ao lado do presidente rubro-negro Rodolfo Landim, o treinador prometeu uma longa parceria e se tornar uma referência mundial.

Siga o Torcedores no Facebook para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes

O Mengão se junta a outros quatro clubes oriundos do futebol na Superliga. Na temporada passada, o São Paulo firmou parceria com o Barueri e conquistou o Campeonato Paulista pela primeira vez, sobre o Osasco, na casa do do adversário.

 

Ainda entre as mulheres, o Fluminense se mantém há quatro temporadas na primeira divisão nacional. Por sua vez, o Cruzeiro completou recentemente 10 anos de uma parceria vitoriosa com o Sada.

Sport e América aparecem com menos protagonismo em seleto grupo encabeçado por Flamengo e Cruzeiro

Com menos destaque, aparece o América-MG. O Coelho conquistou a vaga na elite em 2019, no entanto, não teve êxito em sua primeira temporada na Superliga Masculina. Por problemas financeiros, sofreu uma debandada de atletas durante a competição.

A lista aumenta quando se conta as equipes que disputam a Superliga B. O tradicional Sport disputou a competição em 2019, mas fez uma campanha decepcionante e terminou na lanterna. Dessa forma, a invasão dos times de futebol no vôlei poderia ser maior se não fosse a desistência do Corinthians em dar continuidade à parceria com Guarulhos.

LEIA MAIS

Sesc RJ e Flamengo oficializam parceria 13 vezes campeã da Superliga

Rosamaria é apresentada pelo Casalmaggiore: “queria ficar na Itália”

Osasco anuncia renovação de Roberta e central ex-seleção: “time forte”