Jornalista sugere ao Flamengo que coloque jogadores como “técnicos” e Felipe Neto ironiza

Em busca de um substituto ideal para Jorge Jesus, Flamengo viaja para a Europa atrás de um novo treinador. No Brasil, uma inovação é sugerida por blogueiro

Rafael Brayan
Estudante de jornalismo. Colaborador especialista e editor-plantonista do Torcedores.

Crédito: Wagner Meier/Getty Images

O Flamengo está há uma semana sem um treinador desde a saída do português Jorge Jesus. Procurando um substituto na Europa, a equipe rubro-negra pensa em como continuar saga vitoriosa do time carioca. No Brasil, um jornalista sugeriu uma grande inovação no comando técnico do clube da Gávea.

Conheça a Bet4Plus e experimente fazer uma aposta esportiva grátis, sem necessidade de depósito

Siga o Torcedores no Facebook para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes

Blogueiro no UOL Esporte, André Rocha escreveu que os líderes do atual elenco, como Diego Ribas, Rafinha, Filipe Luís e Diego Alves, por exemplo, poderiam assumir o comando da equipe profissional do Flamengo. “Novos contextos, novas soluções”, publicou o jornalista.

“Por que o Flamengo não aventa a hipótese de montar uma comissão técnica permanente e deixar o comando com uma espécie de “conselho auto-gestor”, formado por Rafinha, Filipe Luís, Everton Ribeiro e os Diegos, Alves e Ribas? Sim, dar poder às lideranças que fogem do padrão “boleiro” tipicamente brasileiro. Com exceção do capitão e camisa sete, todos com experiência na Europa trabalhando com os melhores treinadores do planeta. Se eles aceitassem, obviamente. Os mesmos que conversando em campo deixaram Everton Silva, do Boavista, sem entender o que estavam falando, como se praticassem outro esporte”, continuou.

André Rocha ainda destacou que o Cruzeiro passou por algo parecido em 2019, mas não teve sucesso e caiu para a Série B. “Alguém dirá: “isso é panela!” Sim, como não deu certo, por exemplo, no Cruzeiro de Thiago Neves, Dedé, Robinho e Fred rebaixado em 2019. Mas funcionou muito bem em 1981, no próprio Flamengo. Leovegildo Júnior, uma das lideranças daquela equipe, admitiu em entrevista concedida para este colunista dentro do projeto do livro “1981”, escrito em parceria com o amigo e referência Mauro Beting em 2011. “Tinha panela, sim! A gente puxava fila em treino, ficava depois para trabalhar parte técnica. Tínhamos voz e o Carpegiani nos ouvia como se ainda fosse um de nós””, completou o jornalista sobre o Flamengo.

A ideia da inovação no Flamengo foi publicada inicialmente no Twitter do blogueiro, que acabou tendo uma resposta irônica do youtube Felipe Neto. “Queria dizer que concordo muito. Alô, diretoria do Flamengo, invistam nessa ideia, tem tudo pra dar certo. Pensem no dinheiro que irão economizar. É golaço, certeza, confiem no pai”, publicou o torcedor do Botafogo.

LEIA MAIS:

Ex-auxiliar de Guardiola fala sobre oferta e coloca Flamengo entre “os maiores do mundo”

Jornalista espanhol coloca Ribamar, do Vasco, na mira do Barcelona como substituto de Suárez

Cartola FC: Flamengo tem os dois jogadores mais caros, mas São Paulo e Palmeiras dominam Top-20