Neymar e Mbappé e mais: Jornal lista 10 duplas que falharam na missão de conquistarem a Champions League

Jornal Marca publicou lista com duplas históricas e outras nem tanto

Matheus Camargo
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Divulgação/PSG

O jornal Marca, de Madri, publicou uma lista com 10 duplas que falharam na missão de conquistarem a tão sonhada UEFA Champions League.

Conheça a 1xBet:

Um novo jeito de fazer sua aposta esportiva!

Siga o Torcedores no Facebook para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes
https://www.facebook.com/TorcedoresOficial
O periódico espanhol citou inicialmente Neymar e Mbappé, que perderam a decisão de 2020 para o Bayern de Munique, e relembrou duplas históricas que perderam finais ou que pararam antes mesmo de chegar à decisão. Outras, porém, não deixaram tanta saudade assim em seus clubes.Veja a lista do Marca de 10 duplas que falharam na missão de conquistaram a Champions League:

Neymar e Mbappé
A dupla do PSG chegou à contra o Bayern, mas não conseguiu dar o primeiro título de Champions League da história do clube francês. O brasileiro já tem um titulo da competição conquistado em 2015, com o Barcelona.

Cristiano Ronaldo e Kaká
É bem verdade que Kaká foi uma decepção no Real Madrid, mas tudo poderia ter sido diferente caso o brasileiro conquistasse uma “orelhuda” ao lado de Cristiano Ronaldo. O ídolo do Milan ficou de 2009 a 2013 no clube, mas foi em 2012 a grande chance. Na semifinal contra o Bayern, o próprio Kaká perdeu um dos pênaltis que eliminou os espanhóis.

Ronaldo e Raúl
O melhor jogador do mundo e o maior ídolo do Real Madrid na época. Florentino Pérez formou um dos maiores atacantes do clube merengue quando uniu Ronaldo e Raúl, mas ambos não conseguiram grandes coisas juntos. Em 2003, na grande chance que tiveram, pararam na semifinal e nunca mais voltaram à mesma fase.

Zidane e Del Piero
A dupla carregava a Juventus nas costas e tinha uma combinação quase perfeita: Zidane era o armador e Del Piero o segundo atacante da equipe. Unidos, levaram o time italiano às finais da Liga dos Campeões de 1997 e 1998, mas a Vecchia Signora perdeu as duas: uma para o Borussia Dortmund e outra para o Real Madrid.

Romário e Stoichkov
Uma das duplas mais inesquecíveis que passaram pelo Barcelona nos anos 90, Romário e Stoichkov eram uma combinação perfeita e foram campeões espanhóis juntos, além de terem disputado a Bola de Ouro – com vitória do brasileiro. Mas na Champions ambos fracassaram na grande chance que tiveram. Em 1994, contra um Milan desfalcado de Baresi, a dupla sucumbiu e o Barça levou um 4 a 0 dos italianos na final.

Careca e Maradona
Uma das duplas mais emblemáticas do futebol mundial, Maradona e Careca eram unha e carne no Napoli e foram campeões italianos em 1987. O Marca tratou o argentino como “o melhor do mundo” na época e o atacante como “o melhor brasileiro em atividade”. Ambos tiveram a chance de carregarem o Napoli na Champions de 1988, mas pararam na primeira fase ao perderem para o Real Madrid.

Laudrup e Platini
A dupla formou uma das melhores combinações da Juventus na década de 80 e gerou expectativa. Campeões italianos em 1986, em 1987 foram para a Champions League, mas sucumbiram ao Real Madrid nos pênaltis e não tiveram mais chances.

Falcão e Cerezo
Dupla mais recuada da lista, Falcão e Cerezo formavam para muitos o melhor meio-campo da Europa no início dos anos 80, quando foram campeões italianos pela Roma. Na Champions League de 1984, carregaram o clube à uma inédita final de Champions League, mas caíram na final para o Liverpool.

Heynckes e Simonsen
A dupla brilhou com a camisa do Borussia Monchengladbach e fez história pelo clube. Campeões da antiga Copa da UEFA em 1975, chegaram à final da Champions League em 1977, mas sucumbiram para o poderoso Liverpool e não tiveram mais chances.

Schuster e Maradona
Para encerrar, o Marca citou uma dupla que decepcionou tanto que sequer chegou ao torneio. Schuster e Maradona geraram grande expectativa no Barcelona, mas nos dois anos em que atuaram juntos sequer conquistaram títulos de grande expressão.

Leia mais:
MP do Mandante deve caducar e não deve ter seguimento na Câmara