Troca de escala, VAR na Série B, Gaciba e mais: Clubes voltam a protestar com a CBF e querem mudanças na arbitragem

Mais clubes foram a público para realizarem o protesto

Matheus Camargo
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Divulgação/CBF

A pressão sobre a arbitragem no futebol brasileiro tem ganhado cada vez mais apoiadores e a CBF deve receber nos próximos dias novas reclamações formais.

Na semana passada, clubes da Série A do Brasileirão se posicionaram publicamente e aumentaram o lobby contra o chefe da comissão de arbitragem, Leonardo Gaciba, que tem a simpatia de Rogério Caboclo, mas já sofre com críticas internas na CBF.

Mas nos últimos dias, a pressão só aumentou, e chegou até de clubes de fora da elite do futebol nacional. A primeira crítica veio de Elano, atual técnico do Figueirense, e teve outro tom. Após ter mais um gol legítimo de seu time anulado, o comandante da equipe catarinense disparou contra a CBF e pediu que o VAR seja instalado na Série B. O ex-jogador ainda disse que se trata de uma “economia boba”.

Acompanhe as notícias do seu time do coração pelo Facebook

Para reforçar a palavra de seu treinador, o Figueira soltou uma nota oficial de repúdio após vários erros de arbitragem na Série B.

Outro clube da Série B que disparou contra a CBF foi o Juventude, no fim da noite de segunda-feira. Isso porque, mais uma vez, a escala de arbitragem de um torneio nacional foi alterada sem prévio aviso pela comissão de arbitragem.

O Juventude entra em campo na quinta (29), pela Copa do Brasil, contra o Grêmio, e o árbitro escalado era Raphael Claus, de São Paulo. Porém, a equipe de Caxias foi pega de surpresa após a CBF divulgar a escala com a troca para Anderson Daronco, envolvido em polêmicas recentes em jogos do Juventude contra Grêmio e Internacional, para a partida. A diretoria prontamente emitiu mais uma nota de repúdio.

Clubes da Série A

O Internacional já havia se pronunciado na semana passada, mas voltou a se revoltar com a arbitragem após o empate contra o Flamengo, no domingo (25). O diretor de futebol Rodrigo Caetano teve que ser contido na saída do gramado.

O clube gaúcho mais uma vez não gostou de uma arbitragem e pode reclamar formalmente mais uma vez na CBF, especialmente pelo tempo de acréscimo dado sem nem mesmo a utilização do VAR na partida.

Outro clube que se pronunciou foi o Santos, por meio de seu próprio presidente Orlando Rollo. O mandatário disse em coletiva na última segunda que ligou pessoalmente para Rogério Caboclo e teceu críticas a Leonardo Gaciba. O Santos perdeu por 3 a 1 para o Fluminense e a arbitragem mais uma vez foi mais comentada do que a partida em si.

Leia mais:
Corinthians espera receber pagamento por Pedrinho nesta semana; veja os valores