Gabriel Jesus dá dicas para Menino e diz que espera terminar história no Palmeiras

Atacante campeão brasileiro em 2016 projeta um retorno ao Palmeiras quando estiver perto do fim da carreira

Rafael Brayan
Estudante de jornalismo. Colaborador especialista e editor-plantonista do Torcedores.

Crédito: Cesar Grecco/ Ag. Palmeiras/ Divulgação

O torcedor do Palmeiras tem motivos para se orgulhar da sua categoria de base neste ano. Com Gabriel Menino na lista de convocados por Tite, o alviverde ainda se anima com a possível parceria com Gabriel Jesus na seleção brasileira.

Em entrevista dupla nesta quarta-feira (11), Gabriel Jesus falou sobre a relação com o jovem lateral. “A gente não conversou muito, ainda vamos conversar mais, viemos do mesmo lugar, temos o mesmo nome. Eu construí minha história no Palmeiras, espero poder terminar, ele vem fazendo a dele”, disse.

“Assisto os jogos quando dá, gosto do futebol dele, estou conhecendo, me parece uma pessoa focada e legal. Torço muito por ele e pelo Palmeiras. Sou um dos jogadores nesse elenco com um pouquinho mais de tempo, tem jogadores com mais tempo que eu. Faço minha parte, e a Seleção é isso, alegria, resenha. Tem que ser alegre, ambiente bom, e todos jogadores se sentem em casa”, completou Gabriel Jesus, hoje atacante titular do Manchester City.

Quem chega e quem sai dos clubes?

 

Na sequência, Gabriel Menino retribuiu o carinho de Jesus e primeiro contato com o atacante ex-Palmeiras. “É uma honra estar aqui, no Palmeiras, na base, a gente só falava dele. É um grande ídolo do Palmeiras, para a gente que vem da base. Estava vendo ele dar entrevista e fiquei pensando “caramba, é o Gabriel, treinei onde ele treinou”. Sempre quis conhecer, agora tive o prazer a honra de ter conhecido, é uma pessoal incrível e tenho certeza que vai me ajudar muito aqui na seleção brasileira”, concluiu.

VEJA TAMBÉM:

Quais são os times dos 35 maiores cantores de funk do Brasil?

Jesus usa Ronaldo como exemplo e revela mudança pós-Copa: foco no gol

Gabriel Jesus defende Dome após saída do Flamengo: “A pegada do Brasil é diferente”