Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Presidente da Argentina se emociona e se declara a Maradona: “obrigado por ter existido, você nos levou ao topo do mundo”

Alberto Fernández usou as redes sociais para homenagear o ídolo

Matheus Camargo
Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), colaborador do Torcedores.com desde 2016, radialista na Paiquerê 91,7.

Crédito: Reprodução/Twitter

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, deu uma das declarações mais emocionadas nas redes sociais após o anúncio da morte de Diego Armando Maradona.

Aniversário CLUBE EXTRA

Clique e veja as melhores promoções!

Tendo o ídolo argentino como um de seus grandes apoiadores, Fernández não economizou elogios e agradeceu a existência do camisa 10.

“Você nos levou ao topo do mundo. Você nos fez imensamente felizes. Você foi o maior de todos. Obrigado por ter existido, Diego. Nós vamos sentir sua falta para a vida.”

O ex-jogador morreu nesta quarta, aos 60 anos, vítima de uma parada cardiorrespiratória em sua própria casa. Maradona havia sofrido uma pequena hemorragia no cérebro há algumas semanas, mas se recuperou e deixou o hospital. Ele vinha trabalhando normalmente como técnico do Gimnasia La Plata.

A AFA (Associação de Futebol da Argentina) também prestou homenagens a Maradona, capitão do último título mundial da seleção. Maior ídolo do país e camisa 10 da Copa do Mundo de 1986, ‘Don Diego’ também disputou os mundiais de 1982, 1990 e 1994, quando se despediu.

“A Federação Argentina de Futebol, por meio de seu presidente Claudio Tapia, expressa sua mais profunda tristeza pela morte de nosso lendário Diego Armando Maradona. Sempre estará em nossos corações.”

Maradona jogou pelo Argentinos Juniors, de 1976 a 1981, pelo Barcelona, de 1982 a 1994, pelo Napoli, onde é o maior ídolo e tem a camisa 10 aposentada, de 1984 a 1991, pelo Sevilla, entre 1992 e 1993, pelo Newell’s Old Boys, de 1993 a 1994, e pelo Boca Juniors, em 1981 e de 1995 a 1998, quando se aposentou oficialmente do futebol.

Como treinador, comandou o Racing em 1995, a seleção argentina, de 2009 a 2010, o Al Wasl (EAU), de 2010 a 2012, o Al Fujairah (EAU), de 2016 a 2018, o Dorados, do México, em 2018 e 2019, e o Gimnasia, de 2019 até o dia de sua morte.

Leia mais:
De fuga e insegurança a destaque e titularidade: como Patrick de Paula saiu de comunidade no RJ para se tornar peça-chave no Palmeiras