Como o Green Bay Packers pode se dar bem nos Playoffs?

A franquia de Wisconsin liderada por Aaron Rodgers desponta como uma das favoritas ao Super Bowl

Pedro Paulo Narduchi
Colaborador do Torcedores

Crédito: Reprodução: @packers

O Green Bay Packers caminha para mais uma ida aos playoffs da NFL em Janeiro de 2021. A equipe começou a temporada voando, e apesar de ter sofrido 3 derrotas, parece estar novamente nos trilhos nessa reta final. Dessa forma, é normal que o torcedor fique curioso quanto ao limite do time. Afinal, até onde a equipe pode chegar nessa temporada?

Para responder essa pergunta, é necessário entender quais os pontos fortes da equipe que hoje tem um dos ataques mais letais da liga. A chegada de Matt LaFleur em 2019 mudou a forma do time jogar. Anteriormente, com Mike McCarthy, o playbook se baseava em jogadas verticais, e se apoiava na genialidade de Aaron Rodgers. Porém, para um time obter sucesso na NFL, é necessário reduzir os riscos e fazer com que o seu esquema de jogo seja sustentável.

O que mudou com o novo head coach?

O ataque dos Packers parecia ser unidimensional até 2018. Rodgers passava a bola mais do que devia, tornando o plano de jogo da equipe bastante previsível. Conforme LaFleur foi se adaptando aos jogadores e impondo sua filosofia dentro de campo, frutos foram surgindo, como a ascensão do running back Aaron Jones na equipe. O jogador, bastante explosivo pelo chão e versátil no jogo aéreo, trouxe mais dinamismo ao ataque e mais liberdade para Rodgers executar as jogadas.

Os novos conceitos de passe, que utilizavam mais movimentações pré-snap e rotas curtas pelo meio do campo, permitiram que Rodgers voltasse a produzir como um quarterback de elite. Enquanto em 2019 a transição possa ter sido mais difícil para o veterano, em 2020 seus números explodiram. Lidera a liga em touchdowns lançados, e já teve 5 jogos em que lançou 4 touchdowns e nenhuma interceptação. É nítido que o jogador está mais confortável esse ano e vivendo novamente uma temporada incrível, digna de MVP.

O trio de ataque

A chave para o sucesso do ataque de Green Bay passa principalmente por 3 jogadores: Aaron Rodgers, Aaron Jones e Davante Adams. Adams está absolutamente imparável na temporada, e mesmo estando fora de 4 jogos por lesão, lidera a liga em touchdowns recebidos, com 13. Dessa forma, o time passa a contar com um quarterback, wide receiver, e running back que figuram entre os melhores de suas posições. Eles funcionam como catalisadores do esquema de LaFleur, que pode ser perfeitamente executado através das excelentes peças que possui.

É importante que uma equipe saiba vencer de diferentes formas para ser um time que aspira por título. E o Green Bay Packers de 2020 certamente é essa equipe. Quando o jogo aéreo está funcionando, Jones pode passar em branco na partida. Mas nos momentos em que o time precisa, o jogador consegue entregar o que se pede. Essa polivalência, faz com que qualquer adversário tenha um matchup desfavorável contra os Packers.

O que pode tirar os Packers do Super Bowl?

O maior problema dos Packers é a defesa. Apesar de ser cercada de ótimas peças, Mike Pettine, o coordenador defensivo, parece não conseguir extrair o melhor de seus jogadores. As chamadas do treinador são em vários momentos bastante questionáveis, especialmente quando a unidade precisa parar o jogo corrido. Ainda que o ataque compense essa fragilidade, nos playoffs, isso pode custar caro. Ataques como os de Los Angeles e New Orleans, que correm muito bem com a bola, deverão explorar esse ponto fraco da equipe. Portanto, é fundamental que Pettine consiga ajustar seu esquema para minimizar o que pode ser o tendão de Aquiles desse time.

Sendo assim, o céu é o limite para Aaron Rodgers. A equipe chegará forte nos playoffs, e deve buscar o Super Bowl como favoritos dentro da NFC. Se na temporada anterior, a equipe parou em San Francisco com uma atuação abaixo de Rodgers, o bom ano do quarterback pode ser o diferencial para que a história não se repita esse ano. A equipe ainda pode conseguir a Seed 1, que no momento pertence aos Saints. Uma eventual folga pode dar à Green Bay o tempo necessário para transformar a equipe em um forte candidato a chegar na grande decisão da NFL.

Leia mais:

Fitzgerald diz que sofreu na batalha com o covid e até perdeu 4 quilos

ANÁLISE: Baker Mayfield jogando bem ajuda os Browns