Novo acordo da Arena prevê receita milionária para o Corinthians; veja os números

Timão deve ir ao mercado para reforçar o elenco

Matheus Camargo
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Divulgação

O novo acordo entre o Corinthians e a Caixa Econômica Federal, que aumentou o número de parcelas para o pagamento da Neo Química Arena e retirou a obrigatoriedade do repasse integral da bilheteria, divulgado na semana passada pelo Globoesporte.com, deve aumentar a receita anual do alvinegro paulista em milhões líquidos, segundo publicou o UOL Esporte.

Segundo a publicação, o novo contrato deve liberar uma receita livre de R$ 40 milhões, no mínimo, para o Corinthians, o que deve ir para o reforço do elenco para 2021.

Vale lembrar que o Corinthians nunca teve a receita da bilheteria desde que construiu a Arena Corinthians, inaugurada em 2014. Todo o valor de ingressos foi, até 2020, destinado a um fundo de pagamento à Caixa.

Quem chega e quem sai dos clubes?

 

Os números
A conta feita pela diretoria é o que chama a atenção. Segundo o UOL, o pensamento é que a receita do estádio após a pandemia deve chegar aos R$ 90 milhões anuais, como em 2019, ou acima disso. O clube tem que pagar R$ 569 milhões à Caixa, mas R$ 300 serão abatidos pelo pagamento de naming rights da Hypera Pharma.

Os outros R$ 269 milhões sairão do caixa do clube nos próximos 17 anos, mas conforme o cálculo, seria necessário cerca de R$38 milhões. Qualquer valor arrecadado com o estádio acima disso sobraria livre para o Timão.

Leia mais:
De fuga e insegurança a destaque e titularidade: como Patrick de Paula saiu de comunidade no RJ para se tornar peça-chave no Palmeiras