Pessimista? Presidente do River Plate fala sobre o futuro de Gallardo

Nos próximos dias, Gallardo deve definir se segue ou encerra o trabalho com o River Plate

Eder Bahúte
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Getty Images

Após a eliminação do River Plate na semifinal da Libertadores, o assunto do momento no clube argentino é o futuro de Marcelo Gallardo. Nos últimos dias, a imprensa local tem reportado a possibilidade de um eventual fim de ciclo para o treinador.

Na coletiva de ontem, Gallardo colocou mais um ponto de interrogação. Muñeco respondeu apenas uma pergunta e, logo em seguida, abandonou a sala de entrevista. No que depender de Rodolfo D’Onofrio, presidente do River Plate, ele permanece no cargo.

À ESPN Argentina, D’Onofrio alegou não saber qual decisão tomará Gallardo, mas admitiu que gostaria de vê-lo por mais um período a frente dos millonarios.

“Gallardo sempre quando chega nestes momentos avalia se fica ou se vai. É ele quem irá tomar a decisão. Não tenho intuição, apenas tenho vontade. Quero que ele continue depois que eu sair”, indicou o mandatário que finaliza seu mandato ainda este ano.

Em seis anos como técnico do River, Gallardo conquistou 12 títulos. São 304 jogos e 163 vitórias. O sucesso de Gallardo desperta olhares de equipes do Brasil, que acompanham de longe o desenrolar da situação.

Orgulhoso do que viu

Apesar da queda para o Palmeiras, Gallardo enalteceu o comportamento dos seus jogadores em campo.

“O balanço do ano eu farei depois de tudo o que vivemos e da maneira como competimos depois da parada (pela pandemia de COVID-19). Venho aqui reconhecer e valorizar minha equipe e meus jogadores, que me fizeram sentir representado em campo, me emocionaram pela forma como jogaram. Estou orgulhoso pela postura como eles enfrentaram a partida”, disse.

“Saio daqui com uma sensação plena, ao olhar a forma como a equipe jogar e se sentir representado. Não tenho muito mais do que pedir. Eu os agradeço pela partida. O que vi hoje me faz sentir totalmente orgulhoso e dignifica minha profissão”, concluiu.

LEIA MAIS: