Neto responde Felipe Melo sobre continuidade dos jogos em São Paulo: “Morreram mil pessoas ontem”

Apresentador também detonou postura do FPF em mandar jogos do Paulistão em Volta Redonda

Bruno Romão
24 anos, jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba, amante da escrita, natural de Campina Grande e um completo apaixonado por futebol. Contato: bruno.romao.nascimento@gmail.com

Crédito: Reprodução

Durante o programa “Os Donos da Bola” desta terça (23), Neto falou sobre a postura da FPF em transferir, momentaneamente, o Paulistão para Volta Redonda. Sendo assim, o apresentador criticou a postura da entidade em não respeitar a paralisação do campeonato e tentar realocar os jogos para o estado do Rio de Janeiro.

“A Federação Paulista deveria acabar. (…) Que vergonha é essa? Vocês da Federação Paulista não disseram que ia entrar na Justiça para ter o direito de jogar? O que vocês fizeram? Ligaram para o prefeito de Belo Horizonte, de Volta Redonda…“, declarou.

RESPOSTA A FELIPE MELO

Além disso, Neto respondeu sobre a opinião de Felipe Melo sobre o assunto. Nas redes sociais, o volante do Palmeiras não concordou com a mudança para Volta Redonda, mas defendeu que o Paulistão seguisse em São Paulo.

“A gente tem que ter o pensamento reto, na linha, daquilo que está acontecendo em São Paulo. Felipe Melo, não pode ter jogo aqui, sabe por quê? Porque morreram mil pessoas ontem. Não pode ter jogo. Não é possível que vocês continuem querendo ter o Campeonato Paulista… Faz o seguinte: pega o dinheiro dos times grandes, toda a cota que for, ricos e distribui para os times menores: ‘Esse dinheiro aqui é para vocês aguentarem mais um ano, aí a gente vê o que faz’. Mas ninguém pensou plano B. É só o plano A“, expressou.

“Tem que ter o jogo, em Volta Redonda, na Arábia, nos Estados Unidos. Daqui a pouco vão pegar um avião e jogar no Reino Unido ou em Portugal. É só a grana que importa. Ninguém pensa no próximo, no motorista que vai, no massagista, na mãe. É uma hipocrisia o que todo mundo fala na TV. Ninguém fala das outras divisões, dos jogadores da várzea, de quem precisa comer. Todo mundo quer o jogo“, acrescentou Neto.

LEIA MAIS