Grêmio foi muito mais aguerrido do que organizado em emocionante virada sobre o Cruzeiro

Na coluna PAPO TÁTICO, Luiz Ferreira analisa a vitória das Gurias Gremistas sobre as Cabulosas em jogo válido pelo Brasileirão Feminino

Luiz Ferreira
Produtor executivo da equipe de esportes da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, jornalista e radialista formado pela ECO/UFRJ, operador de áudio, sonoplasta e grande amante de esportes, Rock and Roll e um belo papo de boteco.

Crédito: Dani Barcellos / Grêmio FBPA

A vitória emocionante do Grêmio por 2 a 1 (de virada) sobre o Cruzeiro em jogo válido pela segunda rodada do Brasileirão Feminino Série A1 serviu para mostrar que o futebol nem sempre vive de um bom trabalho coletivo. Às vezes, alguns triunfos são conquistados muito mais na base da garra e da determinação do que organização dentro de campo. Ainda que a maneira como a equipe comandada por Patrícia Gusmão tenha mantido o foco na vitória durante os noventa e minutos de partida no Estádio Cristo Rei (em São Leopoldo), a impressão que fica é a de que tanto as Gurias Gremistas como as Cabulosas podem oferecer muito mais em matéria de plano de jogo e estratégia. Tudo bem que as circunstâncias da partida acabaram influenciando bastante em tudo o que vimos dentro de campo. Mesmo assim, não é apenas este que escreve que tem a certeza de que Grêmio e Cruzeiro podem jogar mais e melhor.

Logo aos três minutos de jogo aconteceria o lance que indicaria a postura adotada pelas duas equipes no Estádio Cristo Rei. Vanessinha acertou belo chute em cobrança de falta e abriu a contagem a favor do Cruzeiro. A vantagem no placar fez com que a equipe comandada por Marcelo Frigério se fechasse em duas linhas na frente da área da goleira Mary Camilo (uma das melhores em campo na opinião deste que escreve). O grande problema é que as Cabulosas não faziam muita pressão na marcação e concediam muito espaço para as Gurias Gremistas terem tempo para tentar as bolas levantadas na área ou os chutes de média e longa distância. O problema estava na configuração tática do escrete de Patrícia Gusmão. A equipe gaúcha se movimentava pouco no terço final e facilitava a vida da última linha adversária. Mesmo com empurrando a equipe celeste para trás, o Grêmio tinha dificuldades para chegar ao gol de empate.

Marcelo Frigério fechou o Cruzeiro na frente da área com duas linhas com quatro jogadoras e posicionou Mariana Santos e Pâmela (fora do frame) para aproveitar os contra-ataques. Mesmo assim, o Grêmio encontrava tempo e espaço para levantar bolas na área ou chutar de longe. Foto: Reprodução / MyCujoo

Este que escreve contou pelo menos três grandes defesas de Mary Camilo em finalizações de Jane, Pri Back e Nathane. A equipe de Patrícia Gusmão passou a colocar um pouco mais de intensidade nos movimentos a partir dos 25 minutos da primeira etapa, mas só conseguiu balançar as redes quando Jane achou Laís Estevam (que havia substituído a lesionada Eudmila não fazia muito tempo) dentro da área. A camisa 19 cortou para dentro e chutou no canto direito de Mary Camilo. Após o intervalo, no entanto, foi a vez do Cruzeiro adiantar um pouco as suas linhas e explorar os espaços que haviam entre o meio-campo e a defesa das Gurias Gremistas. As Cabulosas tiveram boa chance de marcar o segundo quando Vanessinha avançou sem muita marcação e tinha pelo menos três boas opções de passe quando Andréia abandonou a defesa e abriu um buraco na defesa gremista. O chute da entrada da área gremista, no entanto, só facilitou a vida de Raissa.

Vanessinha tem três boas opções de passe assim que progride com a bola e vê Andréia deixando sua posição na última linha do Grêmio. A camisa 7 do Cruzeiro, no entanto, prefere o chute de longe e só facilita a vida da goleira Raissa. As Cabulosas vacilaram muito nas tomadas de decisão. Foto: Reprodução / MyCujoo

A partida no Estádio Cristo Rein chegou num ponto em que o Grêmio atacava a esmo (e sem muita organização) e o Cruzeiro apenas se defendia. Talvez por se mostrar satisfeito com o empate fora de casa ou por sentir a alta exigência física do confronto desta quarta-feira (21). Só que as circunstâncias do jogo acabaram premiando a equipe que mais se entregou e que mais procurou o ataque. E essa equipe foi o Grêmio de Patrícia Gusmão. O lance que antecede o gol de Pri Back (marcado aos 51 minutos do segundo tempo) é emblemático. O escrete comandado por Marcelo Frigério está posicionado na defesa com duas linhas de marcação (e as pontas um pouco mais recuadas para vigiar o espaço às costas das laterais), mas a defesa das Cabulosas vacilam em dois momentos. O primeiro quando permitem que Lais Estevam faça o cruzamento. E o segundo é quando permitem que Pri Back bvenha de trás sem marcação.

Mesmo bem posicionado na sua defesa, as Cabulosas vacilaram no lance que originou o gol da virada das Gurias Gremistas. Lais Estevam consegue levantar a bola na área quase sem ser incomodada e Pri Back aparece dentro da área para escorar o cruzamento sem marcação. Foto: Reprodução / MyCujoo

Grêmio e Cruzeiro mostraram ótimo potencial para a sequência do Brasileirão Feminino. No entanto, tanto Patrícia Gusmão como Marcelo Frigério adotaram uma postura mais pragmática e objetiva ao extremo na partida realizada nesta quarta-feira (21). Este que escreve não quer censurar nenhuma maneira de se pensar o velho e rude esporte dentro de campo. A questão aqui é unicamente perceber que as Gurias Gremistas e as Cabulosas mostraram qualidade quando colocaram a bola no chão e tiveram um mínimo de organização ofensiva e compactação no sistema defensivo. É bem verdade que a temporada do futebol feminino ainda está no início e que muita água vai correr nesse rio. Mesmo assim, garra, determinação e entrega podem não ser suficientes nem para Grêmio e Cruzeiro na reta final do Brasileirão Feminino. Ainda mais com tantas equipes subindo de produção e mostrando bom desempenho logo na primeira rodada.

A partida desta quarta-feira (21) acabou premiando o time que melhor entendeu o contexto e se adequou a ele. Por mais que o Grêmio adote um estilo mais “copeiro” e “brigador” no meio-campo, fica a certeza de que as comandadas de Patrícia Gusmão podem chegar longe com um pouco mais de ousadia e um banco de reservas mais qualificado e com mais opções. Assim como o Cruzeiro de Marcelo Frigério. As Gurias Gremistas e as Cabulosas podem ir mais longe do que muita gente pensa.

CONFIRA OUTRAS ANÁLISES DA COLUNA PAPO TÁTICO:

Atlético-MG liga o “modo aleatório” e abusa do “Cucabol” no empate com o Deportivo La Guaira

O Corinthians ainda é o time a ser batido no futebol feminino brasileiro?

SIGA LUIZ FERREIRA NO TWITTER