Thiago Neves revela atitude de Ceni que fez atleta do Cruzeiro “chorar de nervoso”: “Rachou o grupo”

Rogério Ceni teve curta passagem no time celeste por conta de problemas no vestiário

Bruno Romão
24 anos, jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba, amante da escrita, natural de Campina Grande e um completo apaixonado por futebol. Contato: bruno.romao.nascimento@gmail.com

Crédito: Bruno Haddad - Cruzeiro

Em entrevista ao canal “Pilhado“, Thiago Neves falou sobre os bastidores da passagem de Rogério Ceni no Cruzeiro, em 2019. Dessa forma, inicialmente, o meia contou a forma como o treinador chegou no clube. Priorizando “colocar ordem na casa”, o técnico optou por reunir o grupo e mencionar que alguns atletas não serviam para seu esquema de jogo.

“A gente pediu pro Rogério vir pro Cruzeiro, mas a chegada dele não foi boa. Ele chegou dando porrada em todo mundo na primeira reunião. Chamou nove titulares e falou do time. Perguntou a idade e foi falando que não iria conseguir jogar com todo mundo. Falando que nosso time era muito velho pro jeito que ele queria jogar, mas a gente tinha sido bicampeão mineiro e da Copa do Brasil. O Fábio deixou claro que a gente estava de braços abertos, mas sendo justo. Que não fosse pela experiência de ninguém e pela idade”, declarou.

PROBLEMA COM DEDÉ

Além disso, apesar de ter criticado publicamente a escalação de Ceni no duelo contra o Inter, Thiago Neves negou qualquer problema maior com o técnico. No entanto, o mesmo não ocorreu com Dedé. Isso porque um episódio com o zagueiro praticamente selou a demissão do atual comandante do Flamengo.

“Teve o problema comigo, na semifinal, que a gente perdeu pro Internacional. Mexeu quatro peças no time. Deixou o Edilson de fora para improvisar o Jadson na lateral, improvisou o Marquinhos Gabriel em outra posição e me improvisou e falso 9, e tomamos 3 a 0. No outro dia, eu falei que errei (de dar entrevista criticando a escalação) e que ele não tinha culpa de nada. Mas ele levou pro lado pessoal. Eu nunca mais tive problema com ele. Ele não falava comigo e eu não falava com ele. Até cumprimentava, mas eu saia”, expressou.

“O problema maior dele foi com o Dedé, ali que ele saiu. Faltou com o respeito com o Dedé na oração, mas estava toda a diretoria na roda. Chegou com um ego muito avançado. Nosso grupo nunca se fechou para derrubar o Rogério. A gente falava para deixar ele. Se ele tirar os principais jogadores, o problema era dele”

“Sempre tem oração depois do jogo, e o Dedé pediu a palavra e começou a me defender, o Edilson… Disse que o Rogério não precisava ser amigo (dos jogadores), mas precisava respeitar e que precisava dos jogadores no vestiário. Ele falou: ‘Dedé, quando você terminar sua reunião, você me chama’. E saiu sozinho. O presidente viu, o Itair (Machado) viu, Fábio viu. Dedé começou a chorar de nervoso. Nunca tinha visto ele tão nervoso na minha vida. O Fábio ficou revoltadíssimo. Não pode fazer uma coisa dessa. Ali rachou o grupo. O Itair falou que ele não era mais técnico do Cruzeiro”, finalizou.

LEIA MAIS

Marcos Braz diz que não há motivo para demitir Rogério Ceni: “O elenco gosta e a diretoria também