Qual calouro pode causar maior impacto nesta temporada na NFL?

Muitas vezes os rookies fazem grande diferença na temporada das equipes. Conheça jovens talentos que devem causar grande impacto já neste ano

Ricardo Stelet
Louco por esportes desde sempre.

Com um draft bem movimentado e com foco no ataque, as expectativas estão elevadas para a temporada da NFL. Dentre as possíveis novas estrelas, qual calouro vai conseguir causar maior impacto logo em sua primeira temporada na liga?

Trevor Lawrence – QB – Jaguars

Logo de cara a primeira escolha do draft. Trevor Lawrence, o Sunshine, tem tudo para levar o Jaguars a outro patamar na liga. Ele é considerado por muitos especialistas como o prospecto mais preparado desde Andrew Luck.

Seus números no College são impressionantes, foram incríveis 90 touchdowns lançados em apenas 3 anos. Além disso, foram outros 18 td’s correndo, totalizando 943 jardas, uma média de 4.1 por tentativa.

Contudo, não são apenas esses dados que o credenciam, Lawrence é um jogador diferenciado. Ele tem uma leitura de campo nada comum para um QB da sua idade, além de grande capacidade com as pernas. Os Jaguars também contam com uma boa dupla de recebedores: D.J. Chark e Laviska Shenault para auxilia-lo.

Apenas com todo o seu talento ele já seria um candidato a calouro do ano. E com a preparação do time para ele, tudo leva a crer que Lawrence vai conseguir causar um enorme impacto na NFL logo na sua temporada de calouro.

Travis Etienne – RB – Jaguars

Já que começamos com os Jaguars, vamos seguir em Jacksonville. Ainda na primeira rodada o time selecionou o Running Back Travis Etienne, também de Clemson. Em seus 4 anos de College ele acumulou 4952 jardas e 70 touchdowns terrestres.

É improvável que Etienne cause tanto impacto quando Lawrence no time. Mas com certeza farão uma ótima parceria, até por terem jogado juntos na faculdade. Sua principal qualidade está na velocidade para as corridas laterais, além de aproveitar muito bem os gaps conquistados pela OL. Quando consegue espaço para utilizar sua velocidade é um alvo dificílimo de ser parado.

Entretanto, é provável que sofra em seu inicio por não ser um jogador tão forte para encarar as defesas “de frente”. Além do mais, Etienne precisa cuidar melhor da bola e cuidar dos fumbles. Mas com certeza ele tem tudo para causar impacto já em sua primeira temporada.

Najee Harris – RB – Steelers

Escolhido por Pittsburgh na posição 24, Najee Harris dividia com Etienne o posto de melhor Running Back deste draft. Atleta de Alabama, Harris evoluiu em praticamente em todos aspectos ao longo de suas temporadas no College.

Seu último ano foi o melhor em jardas e touchdowns terrestres(1466 e 26), jardas de Scrimmage (1891) e td’s totais (30). Com seus números e atuações ele se credenciou para estar no primeiro dia do draft e ser cotado como um possível calouro de impacto.

Harris pode ser considerado um talento equilibrado em velocidade e força. É bom escapando do primeiro contato, mas não tem uma velocidade final tão grande, mesmo assim, tem um bom físico para aguentar tackles e permanecer vivo nas jogadas.

Os Steelers fizeram uma escolha inteligente. E vai contar com um rookie capaz de elevar a capacidade de seu ataque terrestre de forma imediata.

Zach Wilson – QB – Jets

De volta aos quarterbacks, temos mais uma aposta do New York Jets, Zach Wilson. Com Trevor Lawrence estabelecido com primeira escolha do draft, os outros QB’s passaram a ser mais observados.

Wilson teve um ano absurdo em BYU. Foram incríveis 3692 jardas aéreas, com 33 touchdowns e apenas 3 interceptações. Além disso, ele ficou em evidencia pela capacidade de fugir do pressão e e encontrar passes “impossíveis”, ao melhor estilo Patrick Mahomes.

Claro que ainda não existe nenhum tipo de comparação. Mas o jovem mostrou que pode encontrar soluções e alongar jogadas como só gênios, como Mahomes e Rodgers, conseguem.

Todavia, os Jets precisam ajudar. Apesar do enorme talento o calouro não pode resolver tudo sozinho. Prova disso foi o difícil ano que Joe Burrow teve, que, apesar de promissor, mostra que por mais talentoso que seja um novo quarterback ele necessita de uma equipe decente para causar todo impacto que poderia.

Ja’Marr Chase – WR – Bengals

Com uma das mais prolificas classes de Wide Receivers dos últimos anos, Ja’Marr Chase foi o primeiro deles a ter seu nome chamado. Escolhido pelos Bengals, ele vai reencontrar seu companheiro de LSU Joe Burrow, com quem foi extremamente bem sucedido.

Chase era considerado pela maioria como o WR mais pronto de todo o draft. Ele é ágil nas rotas, tem boa velocidade final e já tem boa força, apesar de precisar ganhar um pouco de massa muscular para competir na NFL.

O primeiro recebedor da classe pode ser utilizado tanto em rotas curtas, nos slots, como em ajudar a alongar o campo. Não bastasse todas as suas qualidades, Chase vai ter a “facilidade” de jogar com um QB que o conhece. Dessa forma, contribuindo ainda mais para o calouro causar impacto em sua primeira temporada.

Jaylen Waddle – WR – Dolphins

Segundo WR a ser selecionado no draft, Jaylen Waddle é fortemente comparado a Tyreek Hill. Sua velocidade é tão surreal quanto a do recebedor de Kansas, além de contar com um ótimo jogo de pés.

Waddle ainda é capaz de dominar mudanças de direção, em qualquer momento de rotas e tem tudo para ser um dos grandes alvos de Tua Tagovailoa em Miami. O calouro vai contar com boa companhia entre os recebedores  do time, com DeVante Parker, Mike Gesicki e Will Fuller. A equipe dos Dolphins tem tudo para infernizar os adversários com seu grupo de recebedores.

E, nesse contexto, Jaylen Waddle tem tudo para brilhar e causar um grande impacto na NFL.

Devonta Smith – WR – Eagles

O time de Filadélfia conseguiu draftar um vencedor do Heisman na décima escolha, um verdadeiro achado. Companheiro de Waddle em Alabama, Devonta Smith é talvez o WR mais completo desta classe, o que executa melhor todas nuances da posição.

Smith tem explosão, agilidade, é bom nas rotas, no slot, no open field, além de ser muito seguro. Dropou apenas 3 passes em 145 que foram “recebíveis”. Mas, com todas essas qualidades, porque um vencedor do prêmio de melhor jogador do College foi apenas a décima escolha e o terceiro WR escolhido?

Ele é “fraco”. Smith tem apenas 77 kilos e um físico que precisa urgentemente ser trabalhado para a NFL. Com certeza ele ainda deve causar um bom impacto em seu primeiro ano, mas os Eagles vão precisar ter uma atenção especial com o calouro para que ele possa desenvolver toda a sua capacidade na liga nos próximos anos.

Rashod Bateman – WR – Ravens

Último dos recebedores escolhidos na primeira rodada, Rashod Bateman não tem números tão expressivos ou tanta mídia como os outros três WR escolhidos no primeiro round, mas com certeza tem seu valor.

Ainda mais se olharmos para o time que o selecionou, o Baltimore Ravens. Bateman é o mais “parrudo” dos quatro recebedores citados e, além de ser muito bom ganhando jardas após a recepção, é ótimo quebrando e resistindo aos tackles.

Outro destaque em seu jogo é sua capacidade de bloquear. E em um time que tem uma das principais armas um QB extremamente móvel, é evidente que esse “casamento” tem tudo para ser um sucesso. Bateman pode causar tanto, ou até mais, impacto que os outros WR da classe.

Kyle Pitts – TE – Falcons

O Atlanta Falcons selecionou Kyle Pitts, o TE melhor selecionado na história da NFL. E não foi atoa, Pitts é inexplicável. Ele é muito veloz para um atleta de 1,98m e 111 kilos. Também é prolifico realizando rotas, além de não ter medo de usar todo o seu físico para bloquear e abrir espaços para corridas.

Não há dúvidas de que este é o melhor TE já saído de um draft. Claro que ainda não sabemos até onde ele vai chegar na liga, mas há poucas dúvidas de que Kyle Pitts vai causar um grande impacto na liga já no seu ano de calouro.

Draftado por um bom time, com um excelente e experiente QB, Matt Ryan. Kyle Pitts tem tudo para brigar de igual para igual com os todos os QB’s e WR’s do draft para ser o calouro do ano.

 

LEIA MAIS

5 candidatos a Novato do Ano na temporada 2021 da NFL

5 Times que não foram aos playoffs da NFL em 2020 e podem ir em 2021